Logo paivense
Logo paivense

A alimentação tem maior impacto no bem-estar das mulheres do que no dos homens

Segundo um estudo recente, as mulheres podem precisar de uma dieta rica em nutrientes para sustentar um bem-estar emocional positivo.

As escolhas alimentares das mulheres têm um impacto significativo no seu bem-estar emocional, conclui um recente estudo da Binghamton University publicado a 20 de julho no Nutritional Neuroscience.

Os investigadores norte-americanos responsáveis por este estudo afirmam que, para o sexo feminino, há uma maior necessidade de nutrientes na sua dieta alimentar que consuma suportar o bem-estar emocional, ao contrário dos homens que são mais propensos a ter uma boa saúde mental, até que surjam deficiências nutricionais na sua alimentação.

Segundo a Visão, o estudo analisou dados retirados de inquéritos feitos a mais de 500 pessoas em várias redes sociais. 48% dos inquiridos eram homens e 52% eram mulheres.

No que diz respeito às mulheres, os resultados da análise permitiram aos investigadores encontrar uma ligação entre o bem-estar positivo e o consumo de uma dieta mediterrânea, que se baseia na ingestão de alimentos naturais e não processados, legumes e frutas.

É certo que as escolhas do sexo masculino também afetam o seu bem-estar emocional, mas menos do que no caso das mulheres. Além disso, o estudo identificou ainda uma relação entre o sofrimento psicológico e o consumo de uma dieta ocidental, rica em carnes processadas e fritos.

Lina Begdache, professora no Departamento de estudos de saúde e bem-estar da Universidade de Binghamton, considera que a maior conclusão deste estudo é que as mulheres precisam “de um espetro maior de nutrientes para conseguirem ter bom humor, relativamente aos homens”.

A explicação pode ser muito mais antiga do que pensamos. “Machos e fêmeas tinham responsabilidades físicas e emocionais diferentes que podem ter exigido diferentes necessidades de obter energia e diferentes preferências alimentares”, explica a investigadora ao The Independent.

Até a alimentação sugere estas diferenças entre géneros, mas, apesar disso, a investigadora defende a importância de seguir um estilo de vida saudável, independentemente de sermos homens ou mulheres. Promover uma saúde mental saudável passa invariavelmente por uma dieta completa, independentemente do género.