Logo paivense
Logo paivense

Arqueólogos desenterraram um templo raro no meio do deserto

Arqueólogos descobriram no Egito restos de um raro templo greco-romano, incluindo a entrada principal e o pátio. Este é um dos mais notáveis achados históricos.

A descoberta foi feita em Al-Salam, no deserto ocidental do Egito, a cerca de 320 quilómetros das margens do Mediterrâneo.

“O mais surpreendente é que não ouvimos falar todos os dias em novos templos encontrados no Egito”, disse a arqueóloga Sarah Parcak, que não está envolvida na escavação, à National Geographic.

Até agora foram descobertas cerâmicas, moedas, uma escultura da cabeça de um homem e pilares de parede decorados com motivos da época, mas os arqueólogos que estão a trabalhar na escavação afirmam que, muito provavelmente, haverá muito mais por descobrir à medida que as escavações avançam.

Sarah Parcak admite que esta descoberta vai dar muitas mais pistas sobre a história do oásis Siwa, um dos assentamentos egípcios mais isolados, que se encontra entre a Depressão de Qattara e o Mar da Areia Egípcia, a cerca de 560 quilómetros da cidade do Cairo.

Embora não esteja provado, acredita-se que as pessoas habitaram o oásis Siwa desde, pelo menos, 10.000 a.C.. Este templo recém-encontrado poderá ter sido construído entre 200 a.C. e 300 d.C..

Durante este período de tempo, o Egito ficou sob domínio helenístico e, depois, romano. no entanto, a arquitetura e as religiões do antigo Egito permaneceram vivas. É por esse motivo que influências tanto tradicionais como modernas podem ser observadas nos edifícios da época, incluindo o templo em Al-Salam.

Mas infelizmente, muito poucas ruínas desta época ainda permanecem intactas, ou pelo menos percetíveis, o que torna esta descoberta ainda mais emocionante. Espera-se que os trabalhos de escavação duram pelo menos até ao fim do ano, de modo a que sejam descobertos ainda mais artefactos históricos.

Cada um dos objetos encontrados ajuda a contar o que aconteceu no oásis Siwa durante aquele período, as atividades que era praticadas pelas pessoas na época e, nomeadamente, o número de habitantes daquela região.

Os templos eram usados como locais de comércio, para eventos religiosos, e eram também a casa dos sacerdotes da altura. O lar de um padre, por exemplo, poderia estar entre as descobertas que ainda estão por acontecer.

Atualmente, o lugar mais aclamado da região do oásis de Siwa é o exato local onde o rei grego Alexandre o Grande consultou o oráculo de Amon. Aliás, foi nesse lugar que Alexandre o Grande acreditou ter sido chamado para ser o rei divino do Egito.

“Achamos que sabemos muito sobre o antigo Egito, mas ainda resta muito para encontrar”, concluiu Parcak.

Fonte: ZAP