Logo paivense
Logo paivense

Até ao final de 2100, o nível do mar pode subir 38 centímetros

Andrea Della Adriano / Flickr

O nível do mar poderá subir até 38 centímetros até ao final do século devido ao degelo dos glaciares provocado pelo aquecimento do planeta. Esta é a conclusão de um novo estudo publicado esta quinta-feira, citando o cenário mais pessimista traçado.

Para este estudo, publicado na revista científica The Cryosphere, cientistas de cerca de 40 instituições projetaram dois cenários de emissões de gases com efeito de estufa e o seu impacto nas massas de gelo da Gronelândia e da Antártida.

No primeiro cenário, por força da continuação regular do aumento das emissões, o degelo na Antártida fará subir até 30 centímetros o nível do mar. Na Gronelândia, o derretimento da massa de gelo contribuirá para um aumento de 38 centímetros do nível dos oceanos.

Considerando o segundo cenário, uma forte redução das emissões de gases com efeito de estufa, levaria a que o degelo na Gronelândia aumentasse o nível das águas em apenas três centímetros.

Um estudo anterior, publicado na Nature Climate Change no início de setembro, alertou para a possível subida do nível dos oceanos em 40 centímetros até 2100, ameaçando assim centenas de milhões de habitantes das zonas costeiras pelo mundo fora.

Em fevereiro, outro trabalho, que sintetiza modelos realizados por 27 instituições internacionais, estimou que só o degelo na Antártida poderá levar a um drástico aumento até 58 centímetros do nível do mar até ao fim do século, caso o ritmo global das emissões de gases com efeito de estufa se mantenha inalterado.

Se os glaciares da Antártida e da Gronelândia derretessem por completo, o nível das águas poderia subir até 65 metros.

O aumento do nível do mar é uma tendência que já se tem vindo a mostrar preocupante ao longo dos últimos anos.

Em 2015, um grupo de cientistas da agência espacial norte-americana apresentou dados sobre o aumento do nível da água do mar em todo o mundo — que foi, em média, 7,62 centímetros superior ao de 1992. Ainda assim, o panorama varia em diferentes partes do mundo, tendo em algumas zonas chegado a superar os 22 centímetros.

Tendo como base o exemplo do passado, não é difícil prever o futuro que nos espera.