Logo paivense
Logo paivense

CGD quer limitar créditos à habitação dos seus funcionários

António Cotrim / Lusa

Paulo Macedo, presidente da Caixa Geral de Depósitos

A Caixa Geral de Depósitos quer colocar um limite máximo no valor anual dos créditos à habitação concedidos aos seus funcionários. O banco pretende negociar esta medida com os sindicatos da função bancária.

De acordo com o Jornal de Negócios, que avança a notícia nesta quinta-feira, a medida consta do acordo que o banco quer negociar com os sindicatos da função bancária, depois de ter denunciado em julho o que estava até agora em vigor.

Até 2020, a CGD, liderada por Paulo Macedo, quer introduzir um limite anual ao valor que é concedido em créditos à habitação aos seus funcionários, pretendendo também uma avaliação do risco de crédito de cada um dos trabalhadores.

À semelhança do que acontece em outros bancos, os funcionários da CGD têm, até agora, condições “especiais”, que são mais favoráveis na aquisição de crédito à habitação.

O regulamento de concessão de créditos a funcionários da Caixa já prevê limites individuais, recorda o Negócios. Ainda assim, o banco pretende apertar as condições. “Não era suficientemente sólido”, disse fonte oficial da CGD em declarações ao diário.

Fonte: ZAP