As nossas expressões faciais derivam principalmente do que queremos das interações sociais, não dos nossos sentimentos, sugere uma nova pesquisa.

Psicologia

  • 9 Abril, 2018 As nossas caras mostram o que queremos, não o que sentimos

“A visão tradicional das nossas expressões faciais é que são sobre nós, que revelam o nosso humor e emoções”, diz Alan J. Fridlund, professor associado do departamento de psicologia e ciências do cérebro da Universidade da Califórnia, em Santa Bárbara.

“Os nossos rostos não são sobre nós, mas sobre o que queremos de uma interação social. Por exemplo, a cara de ‘choro’ é geralmente considerada uma expressão de tristeza, mas usamos esse rosto para solicitar socorro, quer isso signifique segurança, palavras de conforto ou apenas um abraço”.

O novo estudo, publicado em março na revista Trends in Cognitive Sciences, apoia e expande o trabalho anterior de Fridlund, que acaba com a suposição mais antiga e difundida de que as expressões faciais revelam as emoções das pessoas. Fridlund também é psicólogo social e clínico.

“Este trabalho é uma tentativa de trazer ao campo uma compreensão científica das expressões faciais humanas, e para restaurar a continuidade com as visões modernas da comunicação animal”, diz Fridlund.

“Desde a pré-escola, vemos rostos sorridentes com a palavra “feliz” escrita. Vemos rostos tristes com a palavra “triste” escrita. Essa pode não ser a melhor maneira de entender expressões faciais. Um macaco no jardim zoológico que sorri não é necessariamente porque está feliz. Na verdade, o animal está a dar uma “careta de ameaça submissa”.

Nos últimos anos, Fridlund diz, os biólogos olharam de outra forma para a maneira como os animais comunicam e começaram a vê-los como comunicadores sofisticados e negociadores. A sua abordagem sugere que as nossas expressões faciais têm a mesma finalidade.

O novo estudo detalha as maneiras como a ecologia comportamental de Fridlund de displays faciais em primatologia tem sido útil em inteligência artificial e ainda investiga o que chama de “fenómeno peculiar”, como os rostos que as pessoas fazem quando estão sozinhas.

“Não há dúvida de que o que fazemos com os nossos monitores faciais é diferente do que os não-humanos fazem, mas muitas vezes isso é exibido das mesmas maneiras, já que atuam como ferramentas sociais na negociação comportamental”.

Não existem expressões universais

O novo trabalho também incorpora a investigação de Carlos Crivelli, professor da Universidade De Monfort, em Leicester, Inglaterra, sobre como os indígenas Trobriand Islanders em Papua Nova Guiné – ainda amplamente imunes às tradições e convenções ocidentais – pensam em emoção e usam expressões faciais.

Os investigadores descobriram que o que antes era considerado uma cara universal para o medo, no caso dos trobriandeses, na verdade servia como uma exibição de ameaças, visando assustar os outros até à submissão.

“Os cientistas na década de 1960 tinham noções preconcebidas sobre certas expressões que combinam emoções específicas”, diz Fridlund. “E assim as suas experiências – concebidas e interpretadas através de lentes ocidentais – estavam destinadas a corroborar essas crenças”.

Muitos estudos mais recentes que investigaram as ligações entre expressões faciais e emoções encontraram poucas provas de uma relação entre os dois.

Rostos “irritados” não significam necessariamente que estamos zangados. Podemos nos sentir frustrados, magoados ou com prisão de ventre, mas, independentemente de como nos sentimos, os rostos servem para subjugar, intimidar ou sinalizar possíveis retaliações contra quem quer que os apontemos.

“Uma cara de “nojo” pode significar que uma pessoa está prestes a vomitar, mas também pode significar que não gostamos de uma certa música. Assim, a outra pessoa sabe que não deve colocar aquele CD. Quando perguntamos a alguém sobre o tempo lá fora, o sorriso dela diz que é bom, mesmo que esteja a ter um dia mau”, explica Fridlund.

O trabalho atual de Fridlund baseia-se em pesquisas apresentadas pela primeira vez há mais de duas décadas no livro “Human Facial Expression: An Evolutionary View (Academic Press, 1994)”.

Em estudos anteriores, Fridlund mostrou que, quando imaginamos estar em situações divertidas, assustadoras, tristes ou irritantes, fazemos mais expressões quando imaginamos estar com os outros, do que quando imaginamos enfrentar essas situações imaginárias sozinhos.

As pessoas que assistem a vídeos engraçados, sorriem quando estão a assistir com os amigos – e sorriem quando acreditam que um amigo está a assistir ao mesmo vídeo noutro lugar ao mesmo tempo. “Quando estamos com os outros, estamos sempre a verificar como estão a reagir”, explica Fridlund.

Fonte: ZAP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

18 + 9 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.