Início Ciência Minicérebros humanos fazem crescer os próprios vasos sanguíneos em laboratório

Minicérebros humanos fazem crescer os próprios vasos sanguíneos em laboratório

Os cientistas criaram, há uns anos, “mini cérebros” chamados organoides neurais ou esferoides corticais. Agora, estão a começar a sangrar.

No começo, eram formados apenas de células estaminais, coagidas quimicamente a transformarem-se em protoneurónios. Ainda assim, foram úteis para estudar certos distúrbios cerebrais, como a microcefalia causada pelo vírus Zika.

Esses “mini cérebros” começaram a crescer. As esferas simples amadureceram em estruturas 3D, fundindo-se e provocando eletricidade. Quanto mais “reais” se tornavam, mais úteis eram para estudar comportamentos complexos e doenças neurológicas além do alcance de modelos animais. Agora, no seu ato mais humano até ao momento, cresceram os seus próprios vasos sanguíneos.

Os organoides neurais não se assemelham nem remotamente a cérebros adultos. Equivalem ao estágio de organização de tecidos do segundo trimestre de desenvolvimento do órgão.

Mas são muito bons para estudo, especialmente se tiverem o seu próprio suprimento de sangue. O sangue carrega oxigénio e nutrientes, permitindo que as bolas cerebrais cresçam em redes complexas de tecidos, que médicos podem um dia usar para fortalecer neurónios defeituosos de pacientes.

“A ideia geral com esses organoides é um dia ser capaz de desenvolver uma estrutura cerebral que o paciente tenha perdido com as suas próprias células”, disse Ben Waldau, neurocirurgião vascular da Universidade da Califórnia em Davis, nos EUA.

Na semana passada, o grupo de pesquisa liderado por Waldau publicou os primeiros resultados de organoides neurais humanos vascularizados.

O novo estudo

Usando células da membrana retiradas do cérebro de um dos seus pacientes durante uma cirurgia de rotina, a equipa de Waldau persuadiu-as a tornarem-se células estaminais e células endoteliais que revestem os vasos sanguíneos. As células estaminais tornaram-se um “mini cérebro”, incubado numa matriz de gel revestida com as células endoteliais.

Depois de três semanas, os cientistas pegaram um único organoide neural e transplantaram-no numa cavidade no cérebro de um rato. Duas semanas depois, o organoide estava vivo e tinha crescido vasos sanguíneos que penetravam até as camadas internas do cérebro do animal.

Waldau teve essa ideia ao tratar uma doença rara chamada doença de Moyamoya. Os pacientes com essa condição têm artérias bloqueadas na base do cérebro, impedindo que o sangue atinja o resto do órgão.

“Às vezes, colocamos a artéria de um paciente no topo do seu cérebro para fazer vasos sanguíneos começarem a crescer”, explica Waldau. “Quando replicamos esse processo numa escala miniaturizada, vimos esses vasos a automontarem-se”.

Embora não tenha ficado claro nesta experiência se o sangue do rato estava a percorrer os vasos, os cientistas confirmaram que os próprios vasos sanguíneos eram compostos de células humanas.

Outros grupos de pesquisa já transplantaram com sucesso organoides humanos no cérebro de camundongos, mas apenas vasos sanguíneos do roedor cresceram espontaneamente no tecido transplantado.

Até onde podemos ir

A vantagem dos “mini cérebros” produzirem os seus próprios vasos sanguíneos é que podem viver muito mais tempo ligados a bombas microfluídicas, sem necessidade de roedores. Isso pode-lhes dar uma hipótese de realmente amadurecerem num complexo órgão computacional. A dificuldade será colocar essas células em circuitos que podem receber e processar informações.

Mas isso também levanta questões éticas, obviamente: quão complexos esses “mini cérebros” precisam de ser até que a sociedade tenha que fornecer-lhes algum tipo de proteção especial? Se um organoide cerebral vem das suas células, é o seu guardião legal? Uma “esfera cerebral” pode dar o seu consentimento para ser estudada?

Na semana passada, os Institutos Nacionais da Saúde (NIH) dos EUA convocaram um painel para discutir algumas dessas questões. Dirigindo-se a uma sala cheia de neurocientistas, médicos e filósofos, Walter Koroshetz, diretor do Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrames do NIH, afirmou que a hora de envolver o público era agora, mesmo que a tecnologia leve um século para se tornar realidade.

“A questão aqui é: à medida que essas células se juntam para formar unidades de processamento de informações, quando chegarão ao ponto em que são tão boas quanto o que fazemos agora num rato? E quando irão além disso, para o processamento de informação que só vemos num humano? E que tipo de processamento de informação seria o ponto em que diríamos ‘Acho que não devemos ir até lá’”?, questionou Koroshetz.

Essas questões são interessantes, mas supõem que os neurocientistas são capazes de reconhecer a consciência num organoide se a virem. A biologia ainda precisa de estabelecer uma teoria da consciência em humanos, quanto mais medi-la numa esfera de células cerebrais. O caminho pela frente é certamente longo.

Fonte: ZAP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

1 + 13 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.