Início Ciência A Terra perde centenas de toneladas de atmosfera todos os dias (e...

A Terra perde centenas de toneladas de atmosfera todos os dias (e os cientistas não sabem porquê)

COMPARTILHAR

NASA / Allison Stancil-Ervin

Aurora boreal em Ny-Alesund, captada no final de novembro de 2018.

Várias centenas de toneladas da atmosfera terrestre escapam para o espaço diariamente, particularmente quando o oxigénio consome energia suficiente das colisões energéticas produzidas pela aurora boreal.

De acordo com um comunicado do projeto Earth Observatory da NASA, cada um destes vazamentos atmosféricos é diferente dos demais, o que torna a compreensão deste fenómeno um verdadeiro desafio. Os cientistas da agência espacial norte-americana descrevem este fenómeno como “fontes de gás” que escapam da Terra.

Para melhor compreender e estudar estas fugas, a agência espacial norte-americana criou um projeto, procurando identificar as “vias de fuga” da atmosfera terrestre.

De forma a encontrar dados detalhados, os investigadores do projeto VISIONS-2 da NASA usaram duas naves espaciais não guiadas equipadas com instrumentos de pesquisa. Estes pequenos foguetes podem realizar voos até ao espaço, conseguindo depois retornar à Terra para mapear o fluxo de oxigénio durante uma aurora potencialmente curta.

Os foguetes foram lançados a partir do observatório de Ny-Alesund, na ilha ártica de Spitsbergen, na Noruega, a 7 de dezembro de 2018, no mesmo dia em que ocorreu uma aurora boreal.

A fotografia abaixo apresentada, incorporada no Twitter na NASA, mostra os primeiros estágios do lançamento, sendo possível observar a ignição e a queima dos dois foguetes, lançados com dois minutos de intervalos. O fumo visível é oriundo do primeiro lançamento, e é iluminada pelo rasto do segundo.

Já a fotografia apresentada no início da notícia mostra a aurora boreal em Ny-Alesund, captada no final de novembro de 2018.

“O lançamento foi um momento muito emocionante, ainda mais quando verificamos que todos os instrumentos tiveram um bom desempenho e as condições para a Ciência eram boas”, disse Doug Rowland, investigador principal da missão e físico espacial do Centro de Voos Espaciais Goddard da NASA.

Uma análise preliminar dos dados do VISIONS-2 demonstrou que os instrumentos lançados parem ter voltado com os dados esperados. “Acredito que vimos a ‘fonte atmosférica’, acrescentou Rowland. Os dados carecem ainda de ser analisados ​​e dimensionados, “mas podemos ter evidências [da fonte atmosférica] de múltiplas perspetivas”.

Uma melhor compreensão das perdas atmosféricas na Terra pode ajudar os cientistas a melhor perceber os outros planetas, compreendendo quais destes ficaram desolados e quais os são potencialmente habitáveis.

No entanto, não há motivo para alarme. De acordo com os cientistas, a Terra não ficará sem oxigénio em breve: mesmo com as taxas de perda atuais, devemos ainda ter atmosfera por milhões e milhões de anos.

O VISIONS-2 faz parte da iniciativa multinacional Grand Challenge, que inclui uma série de 11 lançamentos de foguetes no total ao longo de dois anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

2 + fifteen =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.