Início Ciência NASA quer enviar “toupeira nuclear” para procurar vida extraterrestre na lua de...

NASA quer enviar “toupeira nuclear” para procurar vida extraterrestre na lua de Júpiter

COMPARTILHAR

JPL-Caltech / NASA

A superfície brilhante de Europa, lua de Júpiter

A NASA quer criar uma máquina de perfuração com um reator nuclear para procurar indícios de vida extraterrestre no oceano sub-glacial de Europa, a misteriosa lua de Júpiter.

Europa, um dos quatro maiores satélites de Júpiter, é um mundo oceânico cujas águas estão escondidas sob uma camada de gelo de vários quilómetros. Os cientistas acreditam que o oceano de Europa seja um dos possíveis refúgios de vida extraterrestre.

Os astrónomos descobriram que este oceano troca gases e minerais com o gelo da superfície do satélite, onde há substâncias necessárias para a existência de micróbios.

Estas descobertas forçaram o Congresso dos EUA a expandir significativamente o possível escopo da próxima missão da NASA — a estação interplanetária Europa Clipper. Há dois anos, os parlamentares ofereceram-se para enviar não um, mas dois veículos para Europa, um dos quais submergirá e procurará indícios de vida diretamente nas águas do satélite de Júpiter.

Alexander Pawlusik / NASA

Conceção artística da “toupeira nuclear”

“Não sabemos a espessura exata da camada de gelo de Europa – estima-se que seja de dois a 30 quilómetros, e é um grande obstáculo para qualquer veículo”, explicou Andrew Dombard, investigador da Universidade de Illinois.

Dombard e os colegas estão a pensar na possibilidade de criar um aparelho leve e resistente que possa perfurar o gelo e atingir a borda superior do oceano de Europa. A proposta foi apresentada a 14 de dezembro na reunião anual da American Geophysical Union.

Conforme os cálculos dos cientistas, esta instalação pode ser criada apenas se for equipada com um reator nuclear ou uma fonte clássica de radio-isótopo de calor e energia semelhante à do rover Curiosity e da sonda New Horizons.

O calor gerado pelo reator pode ser usado para acelerar a perfuração e recolher amostras de água oceânica de Europa. De acordo com Dombard, o dispositivo perfurará um túnel com 15 quilómetros e fará “excursões” nas águas da lua de Júpiter para procurar potenciais camadas e mantas de micróbios.

Mas há dois problemas apontados por geólogos: o alto nível de radiação de Europa, que está na fronteira entre o “escudo magnético” de Júpiter e do espaço exterior, e as dificuldades do funcionamento do sistema de comunicação.

Para comunicar com a Terra, a “toupeira nuclear” instalará um transmissor de rádio na superfície de Europa através de conexões com o uso de fibra ótica e diversos repetidores de sinal. Esta abordagem vai permitir que o módulo de pouso não apenas faça um mergulho direto na superfície oceânica, mas também escave vários túneis laterais.

Para já, esta é ainda uma hipótese teórica, mas a NASA considera que esta missão poderá ser enviada para Júpiter cerca de um ano após o lançamento da missão intergaláctica Europa Clipper, que acontecerá aproximadamente em 2023.

As autoridades dos EUA ainda não aprovaram a versão final do projeto, mas já alocaram fundos substanciais para o seu desenvolvimento – 172 milhões de euros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

two × four =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.