Início Ciência A criatura mais mortífera do mundo pode ter finalmente os dias contados

A criatura mais mortífera do mundo pode ter finalmente os dias contados

COMPARTILHAR

James Gathany / CDC

Dependendo da região onde mora, o zumbido de um mosquito a aproximar-se pode ser um apenas um incómodo – ou pode ser mortal.

Em todo o mundo, mais de 500 milhões de pessoas sofrem de doenças transmitidas pelos insetos que se alimentam de sangue, incluindo a malária, dengue e zika.

Quase um milhão de mortes são atribuídas a doenças transmitidas por mosquitos por ano, fazendo destes animais as criaturas mais mortais na Terra.

Em vez de tentar encontrar uma cura para doenças transmitidas por mosquitos, uma equipa de cientistas da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, decidiu focar-se diretamente nestes insetos.

Primeiro, os investigadores identificaram 40 genes exclusivos dos mosquitos. Depois, usaram uma técnica conhecida como interferência de RNA, ou RNAi, para inibir esses genes um por um.

No processo, encontraram uma proteína aparentemente essencial para a reprodução do mosquito – e a descoberta poderia levar à criação de um medicamento que age como “controlo de natalidade” para os pequenos assassinos.

De acordo com o estudo publicado na revista PLOS este mês, quando os investigadores bloquearam seletivamente a atividade da proteína – chamada de Organizing Eggshell Factor 1, ou EOF-1 – em mosquitos fêmeas, os mosquitos puseram ovos com casca de ovo defeituosa, levando à morte dos embriões no interior. O efeito de uma única injeção de RNAi durou todo o tempo de vida do mosquito.

A equipa pretende que a abordagem possa oferecer uma maneira de interromper a formação de ovos e reduzir as populações de mosquitos em áreas de transmissão de doenças humanas, sem prejudicar os insetos benéficos, como as abelhas.

“Achamos que esta estratégia pode ter uma probabilidade muito menor de prejudicar outros organismos do que o que está a ser usado hoje”, diz Roger Miesfeld em comunicado. “Esta poderia ser uma ferramenta de última geração que poderia ser aplicada a mosquiteiros e outras áreas frequentadas por mosquitos”

Das mais de quase 3.500 espécies de mosquitos em todos os continentes, exceto na Antártida, três géneros destacam-se como portadores de doenças humanas: os mosquitos do género Aedes transmitem os vírus da Febre Amarela, Dengue, Chikungunya e Zika; Mosquitos Culex espalham o vírus do Nilo Ocidental; e os mosquitos Anopheles transportam a malária.

“Os inibidores atualmente disponíveis para controlar os mosquitos têm sido usados ​​por tanto tempo que as pragas estão a tornar-se resistentes“, diz Miesfeld. “A nossa idéia é derrubar as populações a um nível em que se possa quebrar o ciclo de transmissão de doenças entre mosquitos e seres humanos”.

Como um primeiro passo, a equipa já registou uma patente provisória sobre o processo de descoberta específico da espécie.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

eight + 15 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.