Início Ciência As mulheres medievais também eram artistas (e a prova é uma pedra...

As mulheres medievais também eram artistas (e a prova é uma pedra preciosa escondida nos dentes)

COMPARTILHAR

Um pequeno fragmento de pigmento de lápis-lazúli, descoberto nos dentes fossilizados de uma mulher medieval, está agora a desafiar algumas das suposições mais básicas sobre a história da produção de livros.

Antes do alvorecer do século XV, escribas e artistas na Europa, que escreviam e ilustravam manuscritos religiosos, eram muitas vezes modestos demais para selar as suas obras com uma assinatura.

Como os nomes femininos são especialmente escassos entre os textos sobreviventes desse período, os historiadores há muito presumem que os monges masculinos eram os principais produtores desses manuscritos ilustrados.

Só recentemente esta crença foi reanalisada. Juntamente com um corpo crescente de estudos, uma nova descoberta acrescenta mais evidências de que as freiras não só eram alfabetizadas, mas também produtoras prolíficas e consumidoras de livros durante a Idade Média.

Escondidas dentro da placa dentária de uma mulher de meia-idade enterrada num mosteiro exclusivamente feminino na Alemanha, por volta de mil a 1.200, os investigadores encontraram agora uma pista que diz muito: uma pista de tinta ultramarina.

Depois de analisar os restos mortais, cientistas da Universidade de York e do Instituto Max Planck acham que esta mulher misteriosa era provavelmente uma pintora experiente de textos religiosos ricamente iluminados.

“Com base na distribuição do pigmento na boca, concluímos que o cenário mais provável era que ela estivesse a pintar com o pigmento e a lamber a ponta do pincel enquanto pintava”, explica uma das autoras, Monica Tromp, microbiologista no Instituto Max Planck.

No estudo publicado este mês na revista Science Advances, os autores escrevem que esta representa a “primeira evidência direta de que as mulheres religiosas na Alemanha usavam pigmento ultramarino”.

No entanto, por mais impressionante que pareça, para realmente compreender a imensidão desta descoberta, devemos olhar para trás várias centenas de anos, até um tempo em que o lápis-lazúli era moído e purificado, criando um pigmento ultramarino brilhante.

Originário numa única região no Afeganistão e comercializado por milhares de quilómetros por toda a Europa e Ásia, este bem de luxo era extremamente caro, e a tinta luminescente era quase exclusivamente reservada aos manuscritos luxuosos – e os mais excecionais escribas e pintores. Aparentemente, este grupo inclui esta pintora.

“Aqui temos evidências diretas de uma mulher, que não só pintava, mas também pintava com um pigmento muito raro e caro, e num lugar muito fora do caminho”, diz a autora sénior, Christina Warinner, do Instituto Max Planck.

A conclusão dos autores é apoiada por um crescente corpo de evidências que sugerem que as religiosas na Alemanha e na Áustria desempenharam um papel particularmente ativo na produção de livros. De facto, alguns historiadores agora pensam que as mulheres nessas regiões estavam a trabalhar como escribas e ilustradoras já no final do século VIII.

Uma comunidade de freiras de um mosteiro em Salzburgo, por exemplo, copiou mais de 200 livros da coleção do século XII. Acredita-se ainda que uma única mulher escriba, que vivia na Baviera do século XII, tenha produzido mais de 40 livros sozinha.

No entanto, como as assinaturas são escassas e poucos destes textos sobrevivem, os autores observam que “escribas femininas permanecem pouco visíveis no registo histórico, e é provável que a maior parte do trabalho não tenha sido reconhecida”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

twelve − nine =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.