Início Ciência Até os antigos egípcios faziam trabalhos de casa

Até os antigos egípcios faziam trabalhos de casa

COMPARTILHAR

Um trabalho de casa, escrito por uma criança do Antigo Egito, ficou preservada desde o segundo século a.C – e as palavras podem parecer familiares até nos dias de hoje.

Uma lição antiga preservada numa laje de cera montada em madeira diz: “Deves aceitar conselhos apenas de um homem sábio” e “Não podes confiar em todos os teus amigos”.

Adquirido pela British Library em 1892, o objeto não é exibido publicamente desde a década de 1970. A obra será apresentada numa exposição da British Library chamada “Writing: Making Your Mark”, que traça a evolução da escrita em mais de cinco mil anos de história humana, afirmaram representantes de bibliotecas em comunicado.

O trabalho de casa é uma lição de duas partes em grego que mostra a vida quotidiana de um aluno que frequenta a escola primária no Egipto há cerca de 1.800 anos, explicou o co-curador Peter Toth.

Uma parte da tarefa foi um exercício de escrita. A laje exibe o exemplo escrito de um professor na primeira linha, e as próximas duas linhas contêm as mesmas palavras copiadas “desajeitadamente” pelo aluno, assim como os alunos primários copiam linhas escritas pelos seus professores. O resto do trabalho de casa incluía uma tabela de multiplicação e exercícios de leitura.

Embora o nome e o sexo do proprietário do trabalho sejam desconhecidos, a criança provavelmente era um menino de uma família rica, já que a educação formal no antigo Egpito era tipicamente reservada para homens de privilégio, de acordo com o Royal Ontario Museum.

As linhas copiadas por este estudante não serviram apenas para praticar caligrafia – também tinham a intenção de transmitir lições morais. “Não são apenas as mãos e os dedos, mas também a mente que está a ser instruída aqui”, disse Toth.

Lajes de trabalho de casa como esta eram feitas ao derramar cera derretida e escura numa depressão retangular no centro de uma tábua de madeira. Quando a cera arrefecia, professores e alunos podiam usar uma caneta de metal para riscar letras que pareciam mais claras contra o fundo escuro.

A cera normalmente parte na presença de humidade, por isso o clima seco da região provavelmente ajudou a  preservar o achado arqueológico.

A exposição, que abre portas em agosto, reúne mais de 100 artefactos, exemplos de escrita de civilizações antigas a culturas modernas, incluindo monumentos de pedra com hieróglifos egípcios, uma cópia do clássico literário “Ulisses”, notas musicais escritas por Mozart e instrumentos de tatuagem contemporâneos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

two × 2 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.