Início Ciência Fogo e fezes revelam presença humana da Idade do Gelo no Alaska

Fogo e fezes revelam presença humana da Idade do Gelo no Alaska

COMPARTILHAR

Nos últimos anos, dois campos com diferentes abordagens para entender o passado – genética e arqueologia – perderam a sincronia nos seus modelos sobre o povoamento inicial das Américas.

Evidências genéticas mostram inequivocamente que os primeiros povos das Américas eram descendentes de um grupo de pessoas que descendiam de asiáticos orientais e antigos norte-eurasianos antes de se isolarem do fluxo genético por um período de tempo que começou por volta de 23 mil a 20 mil anos atrás.

Este período coincidiu com um período de arrefecimento global e desertificação chamado Último Máximo Glacial. Geneticistas inferiram que o isolamento ocorreu em Beríngia. Na época, era uma massa de terra que se estendia entre o leste da Sibéria e o Alaska.

Esta inferência foi reforçada por dados paleoecológicos que mostram que os “refúgios” em Beríngia eram mais quentes e mais hospitaleiros para a vida do que a maior parte do sul da Sibéria. O contacto limitado entre grupos em diferentes refúgios poderia explicar a estrutura genética vista nos genomas dos seus descendentes.

Já as evidências arqueológicas para este modelo são limitadas. Enquanto que há evidências abundantes de povos pré-LGM que viviam no oeste de Beríngia, há uma notável ausência de evidências arqueológicas para assentamentos contemporâneos do resto de Beríngia.

Há apenas um candidato para um sítio de ocupação humana da era LGM – Bluefish Caves no norte de Yukon. Ossos que datam de há 27.700 anos podem ter marcas humanas, embora os arqueólogos céticos contestem a descoberta.

A falta de evidências arqueológicas do centro e leste de Beríngia poderia ser porque ninguém morava lá, mas também poderia ser porque estas regiões afundaram quando o LGM terminou e o nível do mar subiu.  Também pode ser porque grandes regiões do leste da Beríngia, que hoje se encontram no Alaska e no Canadá, são pouco caracterizadas.

Esta falta de evidência levou alguns arqueólogos a preferirem a hipótese de um “povoamento rápido” das Américas por um grupo que viveu na Ásia durante o LGM, que se teria mudado para o leste de Beríngia quando os primeiros locais humanos bem documentados são encontrados: cerca de 15 mil a 14 mil anos atrás. Neste modelo, o isolamento que caracteriza esse grupo teria ocorrido na Ásia, e não na Beríngia.

O modelo “povoamento rápido” não satisfaz a maioria dos geneticistas – nem alguns arqueólogos – que observam que, geografica e ecologicamente, Beríngia é uma região muito mais plausível para o isolamento da população do que a Ásia. Os especialistas continuam a argumentar que deve ter havido uma presença humana precoce no centro ou leste de Beríngia – mas ainda não se encontrou nada.

Um novo estudo, publicado na revista Quaternary Science Reviews, pode ajudar a aproximar os registos genéticos e arqueológicos. Richard Vachula e os seus colegas analisaram os núcleos de sedimentos retirados do lago E5 no Brooks Range, na encosta norte do Alaska. Como este lago não foi congelado durante o LGM, os sedimentos são um registo das condições ambientais durante este tempo.

Os autores encontraram dois resultados significativos para entender o povoamento das Américas. Primeiro, descobriram um aumento nas partículas de carvão em sedimentos entre 32 mil e 19 mil em relação a períodos anteriores e posteriores. Essas partículas de carvão teriam sido depositadas por fogos que queimavam a poucos quilómetros do lago.

Embora os autores não consigam distinguir entre fogos criados naturalmente por raios e os programados deliberadamente, a quantidade historicamente baixa de relâmpagos nesta região e a resistência da vegetação à queima sugerem fogueiras artificiais.

Mas ainda mais significativo foi o segundo achado. Biomarcadores fecais, recuperáveis ​​do solo, permitem a identificação dos tipos de animais que estavam presentes num determinado local no passado. Devido às suas diferentes dietas, carnívoros, omnívoros e herbívoros têm perfis distintos de fezes.

A análise de biomarcadores fecais é cada vez mais usada para identificar a presença de seres humanos em locais sem artefactos ou restos. É importante ressaltar que os biomarcadores não exigiriam que uma ocupação de longo prazo fosse depositada no registo de sedimentos. Como os autores observam, “os humanos não precisam de se estabelecer dentro da bacia de um lago para serem registados os sedimentos, precisam apenas visitar e defecar regularmente”.

Vachula e colegas identificaram biomarcadores consistentes com a presença periódica de humanos nas proximidades do lago entre cerca de 31 mil e 22 mil anos atrás. Depois de há 18 mil anos, o que coincide com a maior visibilidade arqueológica da ocupação humana em todo o Alaska, os biomarcadores indicam uma presença consistente de seres humanos.

Juntamente com as evidências de aumento de fogos, esta é uma evidência circunstancial muito forte para uma presença humana precoce no leste de Beríngia de 32 mil anos atrás em todo o LGM.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

20 − 20 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.