Início Ciência Anestesia pode “apagar” memórias más e fobias do cérebro

Anestesia pode “apagar” memórias más e fobias do cérebro

COMPARTILHAR

Dar aos pacientes uma dose de anestésico pode ajudá-los a recuperar de traumas passados ou até curar fobias, sugere um novo estudo.

Se se pedir às pessoas para recordar memórias dolorosas pouco antes de adormecerem sob o efeito do medicamento propofol, os cientistas descobriram que estas lembranças eram visivelmente mais fracas no dia seguinte.

Qualquer coisa, desde o medo de aranhas até transtorno de stresse pós-traumático, poderia ser aliviado se os investigadores conseguirem descobrir como aproveitar este efeito nos pacientes. Os cientistas costumavam supor que, uma vez que uma memória se forme na mente de alguém, era praticamente impossível eliminá-la.

Experiências em roedores gradualmente revelaram que este não era o caso, mas os procedimentos usados – como injetar substâncias no cérebro de ratos – não eram adequados para humanos.

Disparar choques elétricos nas cabeças das pessoas com depressão grave acabou por ser uma maneira eficaz de apagar as memórias más, mas também não era o ideal.

“A eletroconvulsoterapia é um tratamento muito invasivo, então se está a pensar a longo prazo em como seletivamente direcionar memórias emocionais que produzem problemas e possamos fazer algo mais simples, seria melhor”, disse Bryan Strange, da Universidade Politécnica de Madrid, ao The Independent.

Como as pessoas submetidas a estes tratamentos também recebem drogas anestésicas,  Strange e a sua equipa perguntaram-se se elas estavam a desempenhar um papel na perda seletiva de memória.

Quando sedadas em hospitais, os pacientes mostram alguma amnésia durante o período anterior ao procedimento, embora a perda de memória não se estenda às suas vidas. Para testar a ideia, a equipa começou a pedir a 50 participantes que assistissem uma apresentações de slides com histórias emocionantes, incluindo um menino envolvido em um acidente de carro e um ataque a uma jovem mulher.

Depois de uma semana, mostraram partes do slideshow para refrescar as memórias, antes de serem injetadas com propofol. A metade dos sujeitos, pediram que relembrassem a história 24 horas depois, bem como uma história que não tinha sido “reativada” nas suas mentes antes da sedação, de acordo com o estudo publicado no Science Advances.

Os investigadores descobriram que os participantes não conseguiam lembrar-se da história reativada tão bem como a não reativada. “O que foi interessante sobre os efeitos do propofol foi que foi muito seletivo para a componente emocional da história”, disse Strange, observando que foram os momentos de violência ou lesão que foram mais difíceis de lembrar.

Se memórias desagradáveis podem ser isoladas, potencialmente usando a realidade virtual, as fobias que podem ser encontradas em eventos específicos – como bater num carro – também podem ser isoladas e tratadas.

“Sabemos que o processo de memória inútil é uma parte fundamental de coisas como transtorno de stresse pós-traumático e também transtornos aditivos”, disse Ravi Das, da University College London.

Além de propofol, Das observou que outras drogas, incluindo a cetamina, estavam a ser consideradas no desenvolvimento destes novos tratamentos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

one + nineteen =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.