Início Ciência Uma nova “vacina” ensina o corpo a destruir tumores

Uma nova “vacina” ensina o corpo a destruir tumores

COMPARTILHAR

USACE Europe District / Flickr

Investigadores inventaram um novo tipo de imunoterapia contra o cancro, que consiste em injetar tumores com uma série de estimulantes.

A terapia experimental atrai a atenção do sistema imunológico do corpo, para que possa vir e destruir as massas cancerígenas.

A nova abordagem radical já se mostrou promissora em pacientes com uma forma avançada de linfoma não-Hodgkin que resiste aos tratamentos convencionais, e está atualmente sendo testada em uma variedade de “cancros teimosos”.

O resultado pode ser descrito como transformar os tumores em “fábricas de vacinas contra o cancro”, porque atrair as células imunes do corpo para o local do cancro é um método conhecido como vacinação in situ.

Investigadores do Mount Sinai, em Nova York, desenvolveram a técnica de imunização.No papel, o uso de glóbulos brancos para assassinar tecidos nocivos, como o cancro, faz todo o sentido. Na prática, conseguir que uma célula T reconheça o cancro não é simples.

Por um lado, os tumores usam um conjunto engenhoso de disfarces chamados bloqueios de pontos de verificação. Estas são assinaturas na membrana da célula que diz ao sistema imunológico que é apenas uma célula velha regular.

A imunoterapia bloqueadora inibe as assinaturas para permitir que as células T façam o seu trabalho. Mas, novamente, nem todos os cancros facilitam isso. Um tipo incurável de câncer no sangue como o linfoma não-Hodgkin é um exemplo. Segundo a maioria dos relatos, deve ser um ótimo candidato para a terapia com células T. Infelizmente, as células T têm dificuldade em reconhecer esse cancro específico no sangue.

Os investigadores, cujo estudo foi publicado na revista Nature Medicine, analisaram como as células imunológicas podem ser preparadas para reconhecer o linfoma facilmente no laboratório, enquanto exigem um processo mais envolvido, conhecido como apresentação cruzada dentro do corpo.

A diferença sugeria que as células T precisavam apenas de uma mão amiga. A apresentação cruzada requer de uma célula dendrítica para apresentar marcadores celulares específicos para células T tóxicas. Por sorte, pode ser convocado com os tipos certos de estimulantes.

Um estimulante é necessário para chamar as células dendríticas ao tumor. Um segundo estimulante coloca as células em ação, encorajando-as a apresentar sinais químicos chamados antígenos na sua superfície.

A terapia foi colocada em teste num ensaio clínico composto por 11 pacientes em estágios avançados do linfome, onde induziu respostas anti-tumorais de células T e graus variados de remissão longe do local de vacinação. Esta não é só uma boa notícia para os pacientes com linfoma, porque o sucesso deve, em teoria, ser aplicável a outros tipos de cancro.

“A abordagem da vacina in situ tem amplas implicações para vários tipos de cancro”, referiu Joshua Brody, diretor do Programa de Imunoterapia do Linfoma no Mount Sinai.”Esse método também pode aumentar o sucesso de outras imunoterapias”.

Ratos tornaram-se responsivos à terapia de bloqueio quando tomaram a vacina, embora essa parte ainda deva ser testada em seres humanos. De fato, a combinação duplicou a remissão do cancro em ratos de 40% para cerca de 80%.

Este potencial de combinação está a ser avaliado clinicamente em pacientes com cancro de linfoma, mama e cabeça e pescoço. Enquanto isso, testes que envolvem a vacina por conta própria estão a ser conduzidos em indivíduos com cancro de fígado e ovário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

13 + 8 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.