Início Ciência Como aprenderam os dinossauros a voar? Novo robô responde

Como aprenderam os dinossauros a voar? Novo robô responde

COMPARTILHAR

Uma equipa de cientistas da Universidade de Pequim, na China, realizou várias experiências que indicam que os dinossauros desenvolveram a habilidade de voo ao baterem as suas asas quando corriam.

Na linha de tempo da evolução do voo das aves, o deslizamento parece ser o passo mais lógico e aceite. No entanto, uma investigação recente sugere que algumas espécies poderiam ter feito o salto direto para o voo sem qualquer fase de deslizamento, o que poderia forçar os cientistas a reescrever a compreensão da evolução das aves.

Os cientistas acreditam que os pássaros modernos evoluíram de certos tipos de dinossauros, e exemplo disso são as espécies transicionais Archaeopteryx. Esta criatura do tamanho de um corvo, que viveu há 150 milhões de anos, tinha uma estranha mistura de características aviárias e reptilianas, ostentando penas e asas, dentes e até uma cauda.

Estudos recentes mostraram que esta espécie planou e acredita-se que outros, como o Anchiornis, foram também capazes de voar.

Todavia, um recente estudo publicado na PLOS Computational Biology, sugere que o deslizamento não precisou de ter sido necessariamente um passo intermediário para o voo ativo, que envolve o esplendoroso bater de asas.

Uma equipa de cientistas, liderada por Jing-Shan Zhao, cientista do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Tsinghua, em Pequim, estudou o Caudipteryx, um animal do tamanho de um pavão e o mais antigo dinossauro não-voador conhecido. Esta criatura, que pesava cerca de cinco quilos, não conseguia voar, mas era capaz de correr a uma velocidade de oito metros por segundo.

Os cientistas suspeitam de que as asas de Caudipteryx, apesar de não conseguirem voar, batiam cada vez que este animal corria, o que, consequentemente, poderá ter levado à eventual evolução do voo ativo.

Para testar esta hipótese, os investigadores analisaram os efeitos mecânicos da corrida em diferentes partes do corpo do animal. Segundo cálculos matemáticos, se o Caudipteryx estivesse a correr a velocidades entre 2,5 e 5,8 metros por segundo, as vibrações forçadas das pernas teriam causado o abano das proto-asas do animal.

A hipótese mostra assim que as características físicas do dinossauro permitiam o desenvolvimento da habilidade de voo, mas os cientistas quiseram testar esta possibilidade no mundo real. Para isso, a equipa construiu um robô Caudipteryx em tamanho real capaz de funcionar em diferentes velocidades de uma passadeira.

O movimento de corrida fez com que as asas do robô batessem e, para complementar os resultados, a equipa colocou asas artificiais nas costas de uma avestruz. Em ambos os casos, os movimentos de corrida desencadearam uma vibração passiva das asas, o que confirma a proposta do estudo.

Assim, tanto o modelo matemático como a demonstração real, provam que o movimento de bater de asas foi desenvolvido de forma passiva e natural. “Apesar de este movimento não conseguir levantar o animal no ar, o bater das asas pode ter-se desenvolvido mais cedo do que o próprio deslizamento“, afirma Jing-Shan Zhao, citado pelo New Atlas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

five × four =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.