Início Ciência Bebés geneticamente modificados por cientista chinês podem morrer mais cedo

Bebés geneticamente modificados por cientista chinês podem morrer mais cedo

COMPARTILHAR

Quando um cientistas chinês anunciou que usou a tecnologia CRISPR para editar os genes de bebés gémeos para os fazer resistentes ao VIH, foi criticado pelo ato ser anti-ético e potencialmente perigoso para as crianças.

Agora, um novo estudo sublinha ainda mais estas preocupações. Os resultados sugerem que a mutação genética que foi feita nos bebés poderá está ligada a um risco maior de uma morte precoce.

Especificamente, o estudo descobriu que esta mutação – que é conhecida como CCR5-delta32 e que ocorre naturalmente numa pequena percentagem de pessoas – está vinculada a um aumento de 20% no risco de morte antes dos 76 anos.

“Além das muitas questões éticas envolvidas com os bebés CRISPR, ainda é muito perigoso tentar introduzir mutações sem conhecer todos os efeitos daquelas mutações”, disse o autor Rasmus Nielsen, professor de biologia integrativa da Universidade da Califórnia em comunicado. No caso da mutação CCR5-delta 32, “não é uma mutação que a maioria das pessoas gostaria de ter. Poderá estar, na verdade, em pior situação, ao ter isso.”

CCR5 é uma proteína que se localiza na superfície de algumas células imunes. O VIH usa esta proteína como uma porta para entrar nessas células. Cerca de 10% das pessoas com descendência europeia tem uma mutação no gene CCR5 que altera esta proteína e protege contra a infeção por VIH.

O cientista chinês He Jiankui queria introduzir essa mutação nos genomas dos bebés gémeos usando a tecnologia de edição de genes CRISPR-Cas9. A evidência disponível sugere que não conseguiu replicar exatamente a mutação natural, mas o cientista introduziu uma mutação semelhante que efetivamente teria o mesmo resultado: uma proteína CCR5 inativada.

Alguns estudos anteriores sugeriram que, embora a mutação do CCR5 proteja contra o VIH, poderia ter efeitos adicionais prejudiciais, como uma maior suscetibilidade à morte por gripe. No novo estudo, publicado na revista Nature Medicine, os investigadores analisaram informações de mais de 400 mil pessoas com idades entre 41 e 78 anos no Reino Unido, cujos registos de saúde e dados genómicos são parte de um banco de dados conhecido como o Reino Unido Biobank.

Os cientistas procuraram por pessoas que eram “homozigotas” para a mutação CCR5, o que significa que ambas as cópias do gene CCR5 da pessoa tinham uma mutação. Estas pessoas tinham 20% menos probabilidades de atingir a idade de 76 anos, em comparação com aquelas que tinham uma cópia com mutação ou nenhuma.

Além disso, os cientistas descobriram que menos pessoas do que o esperado que tinham essa mutação foram inscritos no banco de dados, sugerindo que esses indivíduos morreram mais jovens numa taxa maior do que a população em geral.

A nova descoberta “ressalta a ideia de que a introdução de mutações novas ou derivadas em humanos usando tecnologia CRISPR, ou outros métodos para engenharia genética, vem com riscos consideráveis, mesmo se as mutações fornecerem uma vantagem percebida”, escreveram os investigadores. “Neste caso, o custo da resistência ao VIH pode ser maior suscetibilidade a outras doenças – e talvez mais comuns”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.