Início Ciência Cientistas mais perto de uma análise ao sangue para diagnosticar a doença...

Cientistas mais perto de uma análise ao sangue para diagnosticar a doença celíaca

COMPARTILHAR

Persian King / Flickr

Cientistas estão cada vez mais perto de conseguir uma análise sanguínea que consiga diagnosticar a doença celíaca, através da descoberta de um marcador imune distinto nos pacientes.

A doença celíaca é uma doença auto-imune crónica do intestino, causada por uma sensibilidade permanente à ingestão de glúten. São precisos vários anos para ser  diagnosticada corretamente e os testes podem ser bastante invasivos.

O número de celíacos continua a aumentar, por isso, uma simples análise ao sangue seria uma forma bastante mais fácil de diagnosticar a doença. Vários especialistas estão a trabalhar nesse campo e, segundo o Science Alert, estão mais perto de o conseguir.

Já existem testes sanguíneos que conseguem diagnosticar a doença celíaca, no entanto, exigem que as pessoas consumam glúten de forma regular nas semanas anteriores, traduzindo-se num processo demorado e desconfortável (e continua a haver a possibilidade de o teste não ter resultados). Para já, a única forma de confirmar um diagnóstico celíaco é através de uma biopsia ao intestino delgado.

Agora, depois de conduzir vários estudos clínicos na Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos, uma equipa internacional descobriu um marcador imune distinto no sangue de quase todos os participantes do estudo diagnosticados com a doença.

“Para muitas pessoas que seguem uma dieta sem glúten, mas sem um diagnóstico formal da doença, tudo o que pode ser preciso é uma análise ao sangue antes e quatro horas depois de uma pequena refeição de glúten”, diz Jason Tye-Din, gastroenterologista e investigador da doença no Royal Melbourne Hospital e no Instituto Walter e Eliza Hall.

A equipa deu a voluntários com a doença uma injeção de peptídeos de glúten ou uma bebida com farinha de trigo e notou um aumento rápido e coordenado de vários produtos químicos imunológicos conhecidos como citocinas.

Das 18 citocinas encontradas, a Interleucina 2 (IL-2) foi uma das primeiras a aumentar e a atingir os níveis máximos, com o pico mais alto de todas. A Interleucina 8 (IL-8) foi outra citocina que mostrou uma resposta semelhante.

Quando os participantes receberam uma dose superior de glúten, os sintomas de náuseas e vómitos aumentaram, e aqueles com crises mais severas tiveram concentrações plasmáticas mais altas de IL-2.

Membros da investigação estão a trabalhar com a ImmusanT Inc, uma empresa focada nas terapias imunológicas para várias doenças autoimunes que está a desenvolver uma “vacina” com peptídeos destinada a funcionar como imunoterapia para celíacos. Os peptídeos utilizados no estudo, agora publicado na revista Science Advances, foramos mesmos usados nesta vacina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

18 − 15 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.