Início Ambiente Novo aparelho consegue retirar água potável do ar seco do deserto

Novo aparelho consegue retirar água potável do ar seco do deserto

COMPARTILHAR

Investigadores da Universidade da Califórnia, em Berkeley, desenvolveram um dispositivo que consegue extrair quantidades de água potável do ar mais seco encontrado no deserto.

O grupo de investigadores diz que o novo colector de água pode produzir mais de 1,3 litros por quilograma de um determinado material absorvente de água, num só dia. A investigação publicada na revista ACS Central Science refere que a produção pode ser feita com menos de 40% de humidade relativa.

Pode não parecer uma grande quantidade de água, mas já é o suficiente para manter uma pessoa viva caso o estado de desidratação seja grave.

A máquina foi posta à prova, durante três dias, no deserto de Mojave, nos EUA. Durante esse período de tempo, o dispositivo produziu 0,7 litros de água por kg de material. Mesmo no dia mais seco, com humidade relativa a 7%, conseguiu recolher 200 ml de água.

O principal componente do recolhedor de água é um tipo de material conhecido como estrutura metal-orgânica (MOF). Este composto tem áreas de superfície grandes o suficiente para permitir que várias moléculas de água do ar se acumulem e condensem dentro delas à temperatura ambiente.

Mathieu Prévot / UC Berkeley

O aparelho de recolha de água é constituído por um ventilador que sopra o ar sobre cartuchos dos MOF’s dentro de uma caixa, que retira a água e a liberta num condensador

O aparelho é uma caixa de acrílico transparente, constituído por um ventilador que sopra o ar sobre cartuchos de MOF’s, que retiram a água. Essa água é então removida dos MOF’s com algum aquecimento e libertada para um condensador onde a água líquida se acumula.

Esta é a terceira versão de colector de água que a equipa de investigadores criou. Em 2017, o primeiro protótipo recolheu água do ar durante a noite, antes de usar o calor do sol no dia seguinte para colher e condensar. A segunda versão, de 2018, tinha melhorias que permitiam recolher até 100 ml de água por kg de MOF’s.

O grupo de cientistas afirma que a última versão é 10 vezes mais eficiente que o modelo do ano passado e 100 vezes mais eficiente do que o protótipo de 2017.

Isto deve-se à introdução do ventilador elétrico, que sopra mais ar sobre os MOF’s e aos aquecedores que permitem que a água seja libertada. Ambos consomem energia recolhida de painéis solares, para além de terem baterias que permitem ao dispositivo funcionar durante a noite.

Mathieu Prévot / UC Berkeley

Da esquerda, os investigadores Nikita Hanikel, Grant Glover e Mathieu Prévot com o dispositivo de recolha de água

Como a máquina é independente, podia ajustar-se a regiões rurais ou países em desenvolvimento, onde a escassez de água é um problema recorrente.

A equipa diz ainda que o dispositivo pode vir a funcionar em escalas. Uma startup criada pelo grupo está a testar uma versão do tamanho de um microondas que pode produzir entre sete a 10 litros de água por dia água potável suficiente para três adultos.

Uma versão ainda maior, do tamanho de um frigorífico, podia fornecer 200 a 250 litros por dia, o que satisfazia as necessidades de uma família inteira. O objetivo final seria um dispositivo muito maior que produzisse 20 mil litros por dia, ajudando vilas inteiras.

Omar Yaghi, investigador principal do projeto, sustenta que esta mobilidade de água pode vir a possibilitar que a água seja um direito humano. “Estamos a produzir água ultra pura, que tem potencial de vir a ser disponibilizada amplamente sem conexão com a rede de distribuição de água”, explica Omar.

DR, ZAP //

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

16 − 3 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.