Início Ciência Novo teste de sangue consegue prever risco de morte

Novo teste de sangue consegue prever risco de morte

COMPARTILHAR

Um novo estudo sugere que cientistas criaram um novo teste de sangue capaz de prever a probabilidade de morte de uma pessoa entre os próximos cinco a dez anos.

Nem todos temos curiosidade em saber quando vamos morrer e, portanto, preferimos que aconteça espontaneamente. No entanto, um novo teste de sangue aproximar-nos cada vez mais dessa realidade. O teste desenvolvido por cientistas da Universidade de Leiden, na Holanda, alegadamente revela a probabilidade de uma pessoa morrer num espaço de cinco a dez anos.

O método de análise sanguínea baseia-se em 14 moléculas do sangue que estão associadas a mortes de variadas causas. Uma espécie de pontuação baseada nestes 14 marcadores metabólicos pode sugerir o nosso risco de morte.

“A associação entre a pontuação do nosso biomarcador e a mortalidade é muito forte”, disse a autora do estudo P. Eline Slagboom, especialista em longevidade e envelhecimento familiar humano. Em declarações à revista Discover, a holandesa acrescentou que a descoberta é surpreendente por apenas se basear em 14 marcadores do sangue, “medidos num único ponto da vida das pessoas”.

Se esquecermos as pessoas que simplesmente têm a bizarra curiosidade de saber quando vão morrer, este novo teste pode ter aplicações cruciais na medicina. Isto permite a um médico tomar melhores decisões, sabendo, por exemplo, qual é o risco de morte de um idoso.

O estudo publicado esta terça-feira na revista científica Nature Communications recolheu amostras de sangue de mais de 44 mil cidadãos europeus, com idades compreendidas entre os 18 e os 109 anos. Com esta análise, os cientistas conseguiram identificar com um sucesso significativo os biomarcadores associados à mortalidade.

Alguns dos marcadores, como a proporção de gorduras poliinsaturadas e ácidos gordos totais, foram associados a uma diminuição da mortalidade. Já outros indicadores, como os níveis de glicose, sugerem um aumento da mortalidade.

De acordo com o New Atlas, o resultado da investigação está ainda longe de ser amplamente usado em ambientes clínicos. A visão é partilhada por Amanda Heslegrave, investigadora que não participou neste estudo, mas que defende que é necessária uma maior validação dos resultados.

“É limitado pelo facto de que, sendo apenas dados de europeus, pode não se aplicar a outros grupos étnicos sem estudos adicionais”, explicou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

four × 3 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.