Início Ciência Treino dos astronautas da NASA pode ajudar pacientes com cancro

Treino dos astronautas da NASA pode ajudar pacientes com cancro

COMPARTILHAR

Atualmente, cerca de 90% dos pacientes consegue superar o cancro em estágio inicial, mas os efeitos tóxicos da quimioterapia e de outros tipos de tratamento podem ser prejudicial para a saúde geral dos sobreviventes.

De acordo com o artigo publicado na revista especializada Cell, os protocolos de terapia baseados em exercícios desenvolvidos pela NASA para ajudar os astronautas a suportar o stress dos voos espaciais também podem ajudar na recuperação do tratamento para o cancro.

Fora da atmosfera da Terra, os corpos dos astronautas são submetidos a microgravidade e e níveis mais altos de radiação, o que, segundo os autores do estudo, tem um impacto semelhante ao tratamento para cancro. A inatividade física e as mudanças no peso corporal compõem esses efeitos, tanto para astronautas como para pacientes com cancro.

De acordo com o IFLScience, sintomas como atrofia muscular, desmineralização óssea, anemia e disfunção imunológica são geralmente experimentados pelos astronautas em órbita, tal como por pessoas submetidas a quimioterapia, radioterapia, imunoterapia e outras formas de tratamento do cancro.

Em comunicado, divulgado pelo EurekAlert, Jessica Scott, co-autora do estudo, explicou que “os astronautas podem sentir algo chamado neblina espacial, onde têm problemas em concentrar-se ou esquecem-se de coisas mais facilmente. Isso é muito parecido com o que alguns pacientes com cancro experienciam chamada cérebro da quimioterapia”.

Ao elaborar um protocolo para combater os efeitos dos voos espaciais, a NASA optou por não usar medicamentos por poderem causar efeitos colaterais indesejados, como sonolência ou arritmia. Em vez disso, foi introduzido um programa baseado em exercícios para melhorar a capacidade de reserva de todos os sistemas corporais antes dos voos espaciais, aumentando a capacidade dos astronautas de resistir ao stress das viagens.

O exercício continuado no espaço é projetado para ajudar os astronautas a manter a sua funcionalidade fisiológica em cerca de 75% dos níveis anteriores ao voo e o treino adicional após aterrar na Terra garante que regressem à sua capacidade base o mais rapidamente possível.

Por outro lado, os investigadores observam que “a reabilitação de exercícios estruturados não é padrão de atendimento em nenhuma população ou ambiente de cancro”, apesar das crescentes evidências de que produz aprimoramentos na IRC e em outras funções corporais para pacientes em tratamento de cancro.

Nos Estados Unidos, há mais de 15 milhões de sobreviventes de cancro e prevê-se que, este ano, sejam diagnosticados aproximadamente um milhão de pessoas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

19 + nine =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.