Início Ciência As pessoas estão a ser envenenadas por óleos essenciais (e pode ser...

As pessoas estão a ser envenenadas por óleos essenciais (e pode ser fatal)

COMPARTILHAR

[embedded content]

Óleos essenciais cheiram bem, mas, se ingeridos oralmente, podem causar muitos problemas, incluindo toxicidade severa, pondo a vida em risco. 

Estudos recentes mostraram que envenenamentos com óleos essenciais têm sido cada vez mais comuns e mais graves na Europa e nos Estados Unidos. Os últimos números divulgados, referentes à Austrália, revelam uma tendência semelhante.

De acordo com o artigo publicado em novembro na revista científica The Medical Journal of Australia, o novo estudo analisou dados do NSW Poisons Information Centre de Nova Gales do Sul, que lida com cerca de metade de todas as chamadas para os Centros de Informações sobre Intoxicações em todo o país.

Entre julho de 2014 e junho de 2018, a entidade registou 4.412 casos de envenenamento com óleos essenciais, sendo que cerca de dois terços deles envolviam crianças com menos de 15 anos. O número de chamadas aumentou de 1.011 em 2014 e 2015 para 1.177 em 2017 e 2018, representando um aumento considerável de 16%.

Os óleos essenciais são, de acordo com o IFLScience, compostos químicos voláteis – que evaporam a baixas temperaturas – que são extraídos do material vegetal através de um processo de destilação que, normalmente, envolve vapor. O seu nome refere-se ao facto de conterem a essência da fragrância da planta e, como tal, são conhecidos pelo seu aroma agradável.

Usado em perfumes, sabonetes, queimadores de incenso e auxiliares de aromaterapia, diz-se que os óleos essenciais beneficiam a saúde geral, relaxando o sistema nervoso. No entanto, alguns fornecedores também sugerem a aplicação tópica dos óleos ou a ingestão oral, algo para qual os autores do estudo alertam fortemente.

Entre os que entraram em contacto com o NSWPIC, cerca de 80% ingeriram acidentalmente óleos essenciais depois de confundir a garrafa com outra coisa – como xarope para tosse – ou por um erro terapêutico (13%). No entanto, 105 pessoas – 2,4% do total – tomaram deliberadamente os óleos, devido à desinformação sobre a segurança e eficácia de fazê-lo.

De acordo com os investigadores, os óleos essenciais podem “causar toxicidade severa quando ingeridos e o risco depende do óleo usado. O início da toxicidade pode ser rápido e pequenas quantidades (tão pequenas como cinco mililitros) podem causar toxicidade com risco de vida em crianças”, explicaram. “Os efeitos clínicos incluem vómitos, depressão ou excitação do sistema nervoso central e pneumonia por aspiração”.

Por outro lado, alguns óleos podem interferir no equilíbrio hormonal do corpo. Alguns estudos mostraram que o óleo de lavanda e o de melaleuca contêm compostos que imitam o estrogénio e inibem a testosterona.

Isto levou a um pequeno número de casos de ginecomastia pré-puberal, em que os meninos desenvolveram seios aumentados depois de aplicar repetidamente os óleos na pele. Os sintomas desapareceram quando os meninos pararam de usar os óleos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

1 × 5 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.