Início Ciência Espetada de porco 2.0. Novameat propõe carne impressa em 3D para o...

Espetada de porco 2.0. Novameat propõe carne impressa em 3D para o jantar

A Novameat, uma empresa espanhola de tecnologia alimentar, apresentou um novo produto: carne de porco à base de plantas impressa em 3D, a que batizaram de espetada de porco 2.0.

A Novameat quer apoiar um sistema alimentar global mais sustentável através da tecnologia. Por isso, a empresa espanhola argumenta que a carne impressa em 3D pode aliviar os atuais problemas das cadeias de suprimento numa altura em que o mundo está a braços com uma pandemia.

“Dada a necessidade de flexibilidade e adaptabilidade do mercado de proteínas e tendo em conta a interrupção global no fornecimento de carne de porco, decidimos desenvolver carne realista à base de plantas com a textura e aparência de carne de porco”, explicou o CEO da Novameat, citado pelo 3dnatives.

A startup trabalha há alguns anos no desenvolvimento de alternativas à carne. O principal desafio da é alcançar, simultaneamente, a mesma textura, sabor, aparência e valor nutricional – os quatro parâmetros que definem o sucesso de uma alternativa à carne.

“Este é o primeiro produto alimentar que apresenta uma verdadeira alternativa à carne animal porque tem a mesma aparência tridimensional e a mesma textura fibrosa, aparência e sabor que um pedaço de carne.”

A empresa conseguiu criar uma tecnologia capaz de imitar a textura natural da carne, através da reorganização de nanofibras de proteínas vegetais para se parecerem com proteínas animais. O objetivo da Novameat é refinar a tecnologia que permite criar uma alternativa realista aos bifes.

A startup usa uma mistura de proteína de arroz, ervilha, azeite virgem extra, extrato de algas marinhas, concentrado de sumo de beterraba e aromas naturais.

“Estamos a testar ingredientes alternativos (proteína, fibra e óleo) para ajustar os aromas e melhorar a sustentabilidade. Demonstrar que a nossa tecnologia trabalha com uma variedade de ingredientes visa apoiar a biodiversidade, combater monoculturas insustentáveis ​​e práticas de desflorestação”, adiantou Guiseppe Scionti.

A empresa já se encontra em negociações para disponibilizar os seus produtos em restaurantes espanhóis e italianos até ao próximo Natal.

A indústria de produção de carne é uma das mais poluentes do mundo e são cada vez mais os consumidores que procuram formas de nutrição alternativas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

5 × 2 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.