Ainda antes de as máscaras se tornarem algo tão comum durante esta pandemia de covid-19, os curandeiros islâmicos já tinham a sua própria versão de equipamento de proteção individual.

Assim como muitos agora usam máscaras e fazem exercícios respiratórios para se protegerem contra a covid-19, o mundo islâmico também se voltou para dispositivos e rituais de proteção em tempos pré-modernos de aflição.

Desde o século XI até o século XIX, as culturas muçulmanas testemunharam o uso de tigelas mágicas, colares de cura e outros objetos, na esperança de evitar secas, fome, inundações e até doenças epidémicas.

Muitos destes amuletos e talismãs são objetos maravilhosamente criados. E, embora agora sejam amplamente vistos como relíquias da crença e superstição populares, na era pré-moderna, estes objetos rituais emergiram das esferas da elite do conhecimento, ciência e arte islâmicas.

Equipamento de proteção individual islâmico

A expressão “equipamento de proteção individual” (EPI) tornou-se parte das nossas vidas, enquanto observamos os profissionais de saúde da linha da frente equipados com viseiras, máscaras e luvas para se protegerem da covid-19.

Antes da teoria dos germes da doença, nas terras islâmicas as epidemias eram frequentemente vistas como uma corrupção pestilencial do ar, através da qual espíritos “húmidos” entravam no corpo humano. Alguns pensadores islâmicos medievais também pensavam que a peste era causada por anjos negros que atiravam flechas invisíveis.

Protegendo o seu utilizador contra uma série de agressões, o EPI islâmico pré-moderno por excelência era a camisa talismã – uma roupa de tecido inscrita com texto sagrado e frequentemente usada em guerra.

Cobertas de quadrados, números e desenhos, as camisas eram “carregadas como um amuleto”, o que significava que eram consideradas capazes de proteger fisicamente a pessoa contra doenças e contra a morte.

Um grupo de camisas talismãs do sul da Ásia dos séculos XV e XVI exibe o texto inteiro do Alcorão, bem como todos os nomes de Deus. Lidos em voz alta, estes nomes transformariam a camisa numa espécie de “rosário têxtil”, de acordo com a investigadora de estudos religiosos Rose Muravchick, permitindo que o seu proprietário recitasse uma piedosa ladainha em honra de Deus.

Outros EPIs islâmicos medievais incluíam o pergaminho em miniatura talismã – um minúsculo rolo de versos do Alcorão em papel acessível impresso em bloco – e desenhos amuleto, como o selo de seis pontas de Salomão.

Pergaminhos e amuletos do Alcorão eram usados ao redor do pescoço ou de outra forma presos ao corpo, sugerindo que se acreditava que o contacto físico com o objeto desbloqueava as bênçãos ou força vital, conhecidas como “baraka” em árabe.

Talvez o mais relevante da pandemia de hoje tenha sido o talismã islâmico anti-praga, conhecido como “Jardim dos Nomes”, usado em todo o mundo islâmico e especialmente popular nas terras otomanas.

Cura islâmica atual

As artes tradicionais de proteção e cura islâmicas cederam amplamente o caminho à medicina e tecnologia modernas.

Mas objetos que serviam de amuletos e práticas homeopáticas ainda existem no mundo islâmico, como em muitas culturas religiosas em todo o mundo. Alguns muçulmanos ainda usam tigelas mágico-medicinais em casa; elas são até vendidas no eBay.

Tal como a oração ou a meditação – que podem ter um efeito placebo, trazendo benefícios reais para a mente e para o corpo – os muçulmanos que enfrentam doenças ou outras crises encontraram força e consolo em objetos religiosos durante quase um milénio.

Como objetos de arte, também, estes artefactos falam do desejo humano de procurar conforto e cura na criatividade e no design. Esta é uma característica da pandemia de hoje também.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

three × two =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.