Início Ciência Pulmão com mais de 100 anos ajuda cientistas a traçar origens do...

Pulmão com mais de 100 anos ajuda cientistas a traçar origens do sarampo

(dr) Navena Widulin / Berlin Museum of Medical History at the Charité

Um pulmão humano, preservado há mais de 100 anos num frasco, ajudou os cientistas a traçar a história do sarampo.

De acordo com o site Live Science, o pulmão em causa estava guardado no Museu de História Médica de Berlim, na Alemanha, e pertencia a uma criança de dois anos que morreu com sarampo em 1912.

Uma equipa de cientistas do Instituto Robert Koch decidiu extrair amostras do vírus do tecido pulmonar e usou o material genético – o mais antigo genoma do sarampo já sequenciado – para aprender mais sobre as origens deste patógeno.

No estudo científico, publicado, na semana passada, na revista Science, os investigadores estimam que o sarampo poderia ter divergido do seu parente mais próximo conhecido, o vírus Rinderpest, em 528 A.C.

Em declarações ao mesmo site, Sébastien Calvignac-Spencer, virologista e um dos autores da pesquisa, afirma que esta nova estimativa sugere que o vírus pode ser “mais de mil anos mais antigo do que qualquer estimativa anterior”.

Estudos anteriores previram que o sarampo e o Rinderpest, que causou a peste bovina, se separaram do seu ancestral comum mais recente entre os séculos XI e XII. No entanto, o médico persa Muhammad ibn Zakariya al-Razi também chegou a escrever uma descrição clínica do sarampo no século X.

Os autores deste novo estudo científico destacam que, antes de terem encontrado a amostra com 108 anos, o genoma mais antigo do sarampo já sequenciado datava de 1954.

Com base em quando a peste bovina e o sarampo divergiram, a “primeira data possível para o estabelecimento do sarampo em populações humanas” ocorreu por volta do século VI A.C., embora a data exata em que o vírus infetou as pessoas, pela primeira vez, continue a ser desconhecida.

Os autores do estudo notaram que, há cerca de 2000 e 2500 anos, os humanos começaram a construir povoações grandes o suficiente para manter um surto de sarampo, oferecendo ao vírus a oportunidade de se estabelecer.

O sarampo tende a desaparecer em comunidades de menos de 250 mil indivíduos, à medida que os moradores rapidamente se tornam imunes ou morrem da doença, de modo que “pequenas populações humanas só poderiam servir como hospedeiros sem saída”, escreveram.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

three × three =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.