Há cerca de 2.500 anos, os chimpanzés ajudaram a regenerar as florestas tropicais africanas após um grande colapso. Os animais espalharam sementes através das suas fezes.

A maioria das pessoas provavelmente pensa que a floresta tropical da África Central e Ocidental, a segunda maior do mundo, existe há milhões de anos. No entanto, estudos recentes sugerem que tem apenas cerca de 2.000 anos. A floresta atingiu aproximadamente o seu estado moderno após cinco séculos de regeneração depois de ter sido massivamente fragmentada quando a estação seca tornou-se repentinamente mais longa, há cerca de 2.500 anos.

Este processo não esteve associado aos seres humanos. A recuperação da floresta foi possibilitada por dispersores de sementes, incluindo chimpanzés, que ajudaram a espalhar as espécies de árvores da floresta tropical de crescimento mais lento através das suas fezes.

No entanto, estes animais agora estão agora ameaçados pela desflorestação e pela caça, geralmente para carne de animais selvagens. Quando combinada com as alterações climáticas, a resiliência das florestas tropicais parece menos garantida para o futuro.

Anteriormente, os cientistas acreditavam que os seres humanos eram os principais responsáveis pelo colapso das florestas de há 3 mil anos. Vários artigos indicavam a abundância de pólen da árvore do óleo de palma como um indicador da atividade humana.

Contudo, registos históricos da floresta tropical apontavam para a quase dizimação das florestas tropicais há cerca de 2.500 anos na Bacia do Congo e ao longo de uma enorme extensão que vai do Senegal ao Ruanda.

Como havia apenas evidências arqueológicas muito limitadas de populações humanas pouco dispersas, os humanos não poderiam ter sido responsáveis pela destruição quase síncrona numa escala tão grande.

Então, o que causou o colapso dessas florestas? Acontece que a resposta não é os humanos, mas sim as alterações climáticas.

Num estudo recentemente publicado na revista Global Planetary Change, uma equipa de investigadores usou os registos de vegetação disponíveis na África Central e Ocidental para mostrar que, aproximadamente há 2.500 anos, a duração da estação seca aumentou. As florestas tropicais tornaram-se altamente fragmentadas e surgiu a vegetação de savana.

Nos séculos que se seguiram, as florestas regeneraram-se espontaneamente, inclusive com espécies como o óleo de palma. O óleo de palma exige muita luz e, assim, prospera em áreas abertas e não no centro mais denso. Assim, muitas vezes atua como uma “espécie pioneira”, permitindo que a floresta volte a crescer.

Mas as sementes grandes do óleo de palma são pesadas demais para serem sopradas pelo vento. Portanto, precisaram de ser dispersas na fezes de animais, como os chimpanzés, capazes de engolir as sementes grandes e para os quais a polpa alaranjada brilhante pode ser uma parte importante da dieta. E foi assim que os chimpanzés tiveram um papel crucial na regeneração das florestas tropicais de África.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

3 × four =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.