A desflorestação e a superpopulação da Terra ameaçam destruir a vida como a conhecemos até 2040, de acordo com um novo estudo, que adianta que a civilização está a caminhar para um “colapso irreversível”.

Se a Humanidade continuar neste caminho, a civilização como a conhecemos está muito perto do “colapso irreversível”. É uma questão de décadas, indica uma investigação recente, publicada na Scientific Reports, que modela o futuro da Humanidade com base nas taxas atuais de desflorestação e uso de outros recursos.

A equipa analisou números históricos de aumento da população, consumo de recursos e desflorestação e associou-os a fórmulas matemáticas complexas. As projeções mais otimistas deste estudo revelam uma probabilidade de 90% de colapso da Humanidade, adianta o Futurity.

Os físicos prevêem que a sociedade, pelo menos como a conhecemos, pode terminar dentro de 20 a 40 anos. “Os cálculos mostram que, mantendo a taxa real de crescimento populacional e consumo de recursos, ainda temos algumas décadas antes de um colapso irreversível.”

O artigo científico, escrito por físicos do Instituto Alan Turing e da Universidade de Tarapacá, prevê que a desflorestação vai “matar” as últimas florestas da Terra em 100 ou 200 anos. A desflorestação, em conjunto com as mudanças na população global e o consumo de recursos, compõem um cocktail desastroso para a nossa civilização.

“Não é realista imaginar que a sociedade humana só começará a ser afetada pela desflorestação quando a última árvore for cortada”, lê-se no artigo. A taxa global de desflorestação diminuiu nos últimos anos, mas ainda há uma perda líquida na floresta em geral.

Além disso, as árvores recém-plantadas não conseguem proteger o meio ambiente tão eficientemente quanto as florestas antigas.

Pesquisas recentes também sugeriram que as taxas de crescimento populacional global são inferiores às estimativas. Um artigo publicado no The Lancet sugeriu, inclusive, que o crescimento da população pode diminuir em meados do século XXI devido ao declínio nas taxas de fertilidade.

No entanto, os cientistas envolvidos na nova pesquisa argumentam que o tempo está a esgotar. “É difícil imaginar, na ausência de esforços coletivos muito fortes, grandes mudanças destes parâmetros numa escala de tempo tão curta”, escreveram.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

2 × 4 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.