(dr) Muhammad Naeem Khan

Uma cruz de mármore foi recentemente descoberta no cimo das montanhas do Baltistão, no Paquistão. Os investigadores acreditam que tem cerca de 1.200 anos e que pode ser um sinal da presença de uma antiga civilização cristã na região.

Uma equipa de arqueólogos descobriu, nas montanhas rochosas de Skardu, na região de Baltistão, no Paquistão, uma misteriosa cruz com 1.200 anos, que pesa cerca de três toneladas. Os investigadores da Universidade do Baltistão visitaram o local e acreditam que o artefacto pode estar relacionado com a presença de uma antiga civilização cristã na região.

“A enorme cruz de mármore pesa entre 3 e 4 toneladas e mede aproximadamente 2×1.80 metros. Foi encontrada no cimo das montanhas de Kavardo, no Baltistão”, avançou a equipa em comunicado, citado pelo Ancient.

Apesar de ainda ser necessária datação por carbono e evidências científicas exatas, os investigadores acreditam que a cruz está relacionada com a presença do cristianismo na região. “Há muita emoção e muita divisão”, disse Muhammad Naeem Khan, da Universidade do Gilgit-Baltistão.

Wajid Bhatti, que investiga cruzes cristãs antigas na Universidade Quaid-i-Azam, em Islamabad, entrou em contacto com a universidade paquistanesa e disse ter reconhecido o estilo da cruz. Segundo o investigador, trata-se de uma cruz de Thoman, uma das maiores cruzes descobertas no subcontinente.

A Cruz de Kavardo“, como foi batizada, é a primeira evidência de uma cruz sagrada no Baltistão. “É uma grande notícia para todos nós que uma cruz antiga tenha sido encontrada em Skardu. Isso mostra que o cristianismo existiu nesta área. Atualmente, não há famílias cristãs, mas elas já existiram”, disse Mansha Noor, diretora executiva da Caritas Paquistão.

A equipa quer contactar universidades europeias e norte-americanas para desenvolver laços académicos e, desta forma, determinar a data exata da “Cruz de Kavardo”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

4 × five =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.