Caso as metas climáticas não sejam atingidas, cerca de dois terços do gelo dos glaciares dos Himalaias podem desaparecer até 2100, revela um novo estudo.

No mundo da glaciologia, o ano de 2007 entraria na história. Foi o ano em que um erro aparentemente pequeno num importante relatório internacional anunciou grandes mudanças na nossa compreensão do que estava a acontecer com os glaciares dos Himalaias.

Apenas um ano após o documentário de Al Gore, “Uma Verdade Inconveniente”, ter desencadeado diálogo sobre o aquecimento global antropogénico, o Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC) publicou o seu 4.º Relatório de Avaliação.

Este resumo foi o padrão para informar o mundo sobre as alterações climáticas. O relatório continha um pequeno, mas sério erro – que todas as geleiras dos Himalaias desapareceriam até 2035.

O escândalo provocou uma enxurrada de novos estudos e agora podemos ver que alguns glaciares dos Himalaias sobreviverão no próximo século. Os dados mais recentes mostram-nos que, se reduzirmos as nossas emissões de gases com efeito estufa, entre um terço e metade do gelo dos glaciares será perdido até 2100. Caso contrário, dois terços dos glaciares dos Himalaias desaparecerão até ao final deste século.

A gralha no relatório foi devida a um erro de digitação aparentemente não intencional, dando credibilidade a uma declaração infundada. O IPCC citou um relatório da World Wildlife Foundation, que retirou a data do colapso dos Himalaias numa entrevista à New Scientist. Essa entrevista citou especulações de um glaciologista indiano, que aparentemente citou mal o trabalho de outro cientista que previa que glaciares em todo o mundo diminuiriam em 80% até 2350.

O IPCC acabou por pedir desculpa por não ter identificado esse erro. Embora embaraçoso, não menosprezou as conclusões principais. O IPCC comprometeu-se a melhorar o seu processo de revisão por pares antes do próximo relatório em 2013.

Após o relatório do IPCC, o Governo indiano agiu rapidamente para suprimir o pânico com um estudo controverso que apresentava evidências seletivas, mostrando que os glaciares no norte da Índia e no Paquistão eram estáveis ou estavam até mesmo em expansão. No entanto, os glaciares de Karakoram em questão beneficiam de uma maior queda de neve no inverno e verões mais frios, como resultado do aquecimento global.

Resolver um erro nos Himalaias

Os glaciologistas ficaram a imaginar qual seria o destino dos glaciares dos Himalaias. Poucos estudos estavam a ser feitos e os dados eram escassos. Problemas no acesso a geleiras remotas e de alta altitude em regiões politicamente instáveis impediram o trabalho de campo. A guerra civil no Nepal, os talibã no Paquistão e a suspeita em relação aos cientistas estrangeiros na China e na Índia tornaram essas montanhas lugares difíceis para se trabalhar.

Observações e investigações de campo sugeriram que os glaciares não estavam a mudar notavelmente. Os glaciologistas logo perceberam que as alterações no volume de gelo estavam ocultas por detritos rochosos nas superfícies de muitos glaciares grandes.

Depois, no início de 2010, os rápidos avanços na tecnologia dos satélites e a desclassificação das fotografias de satélite da Guerra Fria abriram uma janela para essas montanhas remotas. A escala da mudança dos glaciares nos Himalaias pôde ser vista pela primeira vez.

O futuro dos glaciares

Um novo estudo mostra que a taxa de perda de gelo nos glaciares dos Himalaias duplicou nos últimos 20 anos e é semelhante à taxa de perda de gelo em todo o mundo. Embora se pensasse que altitudes extremas protegeriam os glaciares das alterações climáticas, agora sabemos que as montanhas altas estão a aquecer duas vezes mais rápido do que o resto do planeta.

A proliferação de dados permitiu que os glaciologistas treinassem modelos de computador para projetar como os glaciares mudarão no futuro. Esses modelos mostram-nos que entre um terço e metade do gelo dos glaciares nos Himalaias serão perdidos até 2100. Se não agirmos para manter as alterações climáticas dentro da ambiciosa meta do Acordo de Paris, de 1,5ºC, dois terços serão perdidos no mesmo período.

Enquanto o enfraquecimento das monções de verão e a poluição atmosférica afetam a expectativa de vida dos glaciares, o aumento da temperatura global está a causar o encolhimento dos glaciares dos Himalaias. Estas previsões são más notícias para mil milhões de pessoas que dependem de rios alimentados por glaciares para obter água na primavera, no início da temporada agrícola.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

four × 3 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.