Os altos níveis de poluição atmosférica em algumas cidades estão a deixar as abelhas doentes, tornando-as mais lentas na polinização das flores.

Quer se trate do fumo dos tubos de escape dos carros ou de usinas de energia, a poluição atmosférica é uma ameaça muitas vezes invisível que é uma das principais causas de morte em todo o mundo. Respirar o ar misturado com metais pesados, óxidos de azoto e partículas finas tem sido associado a uma série de condições crónicas de saúde, incluindo problemas pulmonares, doenças cardíacas, derrame cerebral e cancro.

Se a poluição atmosférica pode prejudicar a saúde humana de tantas maneiras diferentes, faz sentido que outros animais também sofram com ela. Os poluentes transportados pelo ar afetam todos os tipos de vida, até mesmo os insetos. Em áreas altamente poluídas da Sérvia, por exemplo, os investigadores encontraram poluentes remanescentes nos corpos das abelhas-europeias.

Sabe-se ainda que o fumo do escape de um carro interrompe as pistas de cheiro que atraem e guiam as abelhas em direção às flores, ao mesmo tempo que interfere com a sua capacidade de se lembrarem dos cheiros.

Agora, um novo estudo publicado esta semana na revista científica PNAS revelou como a poluição do ar pode estar a esgotar a saúde das abelhas na natureza. Esses efeitos podem não matar as abelhas imediatamente, mas os investigadores descobriram que a poluição atmosférica torna as abelhas lentas nas suas atividades diárias e pode estar a encurtar as suas vidas.

Abelhas doentes em Bangalore

A Índia é um dos maiores produtores mundiais de frutas e vegetais. Para esse sucesso, são essenciais as espécies polinizadoras, como a vespa-gigante-asiática. Ao contrário das abelhas-europeias, estas abelhas são predominantemente selvagens e regularmente resistem a humanos e outros animais ansiosos para colher o seu mel. As colónias podem migrar por centenas de quilómetros num ano, polinizando uma vasta gama de plantas e plantações selvagens em toda a Índia.

Os investigadores estudaram como é que essa espécie estava a sair-se na cidade de Bangalore, no sul da Índia, onde os registos de poluição atmosférica foram relatados como alguns dos mais altos do país. As vespas-gigantes-asiáticas foram observadas e recolhidas em quatro locais da cidade ao longo de três anos. Cada uma tinha padrões diferentes de poluição atmosférica.

O número de abelhas a visitar as flores foi significativamente menor nos locais mais poluídos, possivelmente reduzindo a quantidade de plantas polinizadas. As abelhas desses locais morreram mais rapidamente após a captura e estavam parcialmente cobertas por vestígios de arsénio e chumbo. Elas tinham batimentos cardíacos arrítmicos, menos células imunológicas e eram mais propensas a mostrar sinais de stress.

No entanto, existem algumas ressalvas a serem consideradas. Por um lado, as áreas com alta poluição podem ter tido menos plantas com flores, o que significa que as abelhas eram menos propensas a procurá-las.

Além disso, os investigadores analisaram a saúde das abelhas em partes da cidade puramente com base em diferentes níveis de poluição medida. Eles não conseguiram isolar o efeito da poluição com certeza absoluta.

Mas, crucialmente, não foram apenas as abelhas que mostraram essa tendência. Numa experiência, os autores do estudo colocaram gaiolas de moscas-da-fruta nos mesmos locais. Assim como as abelhas, as moscas ficaram cobertas de poluentes, morreram mais rapidamente onde havia mais poluição e apresentaram níveis mais elevados de stresse.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

three × 1 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.