À medida que o mundo aquece e a atmosfera torna-se cada vez mais fertilizada com dióxido de carbono, as árvores crescem cada vez mais rápido. Mas elas também estão a morrer mais jovens – e no geral, as florestas do mundo podem estar a perder a sua capacidade de armazenar carbono.

Estas são as principais descobertas de um nosso novo estudo, publicado esta semana na revista Nature Communications.

Num mundo sem humanos, as florestas existiriam em equilíbrio, retirando quase tanto carbono da atmosfera quanto perdem. No entanto, os humanos perturbaram esse equilíbrio ao queimar combustíveis fósseis. Como resultado, os níveis de CO₂ atmosférico subiram, levando a um aumento da temperatura e fertilizando o crescimento das plantas.

Estas mudanças estimularam o crescimento das árvores nas últimas décadas, mesmo em florestas intactas e “antigas” que não sofreram distúrbios humanos recentes. Isso, por sua vez, tem permitido que as florestas absorvam mais carbono do que libertam, resultando numa grande acumulação.

Os cientistas muitas vezes questionam-se por quanto tempo as florestas podem continuar a ser uma fossa. O CO₂ extra vai beneficiar as árvores e o aumento da temperatura vai ajudá-las a crescer em regiões mais frias. Portanto, pode-se esperar que as florestas continuem a absorver grande parte das nossas emissões de carbono – e isso é exatamente o que a maioria dos modelos de sistemas terrestres preveem.

No entanto, possíveis mudanças na vida útil das árvores podem mudar as coisas. Há alguns anos, ao estudar florestas antigas da Amazónia, os cientistas observaram que os aumentos de crescimento iniciais foram seguidos por aumentos na mortalidade de árvores.

A hipótese da equipa de investigadores é que isso pode dever-se ao crescimento mais rápido, reduzindo o tempo que as árvores vivem. Se for verdade, isso significa que as previsões anteriores podem ter sido excessivamente otimistas, pois não tiveram em consideração as compensações entre crescimento e longevidade. Os novos resultados fornecem evidências para essa hipótese.

Os cientistas analisaram mais de 210.000 registos de anéis de árvores pertencentes a mais de 80 espécies diferentes em todo o mundo. Este grande empreendimento foi possível graças a décadas de trabalho de dendrocronologistas (especialistas em anéis de árvores) de todo o mundo, que disponibilizaram os seus dados publicamente.

A Lebre e a Tartaruga

A análise mostra que as árvores que crescem rápido morrem jovens. É sabido que as espécies de crescimento mais rápido vivem menos tempo.

Os autores do estudo descobriram que isto não é verdade apenas quando comparamos diferentes espécies, mas também dentro de árvores da mesma espécie. Pode-se esperar que uma árvore de faia de crescimento lento viva várias décadas a mais do que os seus parentes de crescimento rápido. É muito parecida com a história da lebre e da tartaruga – as árvores de crescimento lento, mas constante, são as que vivem mais.

Para estudar as implicações disso, os cientistas compararam quanto carbono seria acumulado em dois modelos de simulação. Um deles incluiu essa compensação “crescer rápido, morrer jovem” e o outro usou um modelo no qual as árvores viviam por igual, independentemente das suas taxas de crescimento.

Assim, descobriram que as árvores que crescem mais rápido e morrem mais cedo inicialmente causaram o aumento do nível geral de biomassa, mas também aumentou a mortalidade das árvores várias décadas depois. Os modelos indicam que o crescimento mais rápido resulta numa morte mais rápida da árvore, sem aumentos reais de longo prazo no armazenamento de carbono.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

19 + 5 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.