Logo paivense
Logo paivense

Cinfães: com 201 casos comissão municipal de proteção civil declara situação de alerta

Comunicado da Câmara Municipal de Cinfães

Considerando o agravamento da situação COVID 19 e o constante aparecimento de novos casos positivos no concelho, a Comissão Municipal de Proteção Civil, reunida extraordinariamente em 27 de outubro, declarou a situação de alerta em Cinfães.

O estado de alerta foi declarado em todo o território concelhio:

– Considerando o número atual de casos ativos no concelho, num total de 201 casos;

– Considerando a evolução de novos casos com aumento sucessivos nas últimas 3 semanas;

– Considerando o número de contactos em vigilância ativa, num total de 556 casos;

– Considerando a elevada probabilidade da continuidade de aparecimento de novos casos;

– Considerando os indicadores de internamentos nas unidades de saúde e nomeadamente no Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, com mais de 150 internados à data, e, portanto, a possível limitação da capacidade de internamentos e tratamentos, se necessários;

– Considerando a análise das cadeias de transmissão, verifica-se que a maioria dos casos tem transmissão em ambiente familiar e amigos.

Assim, alerta para o risco elevado da continuidade de transmissão da doença para qualquer cidadão, e consequências daí resultantes para a saúde, assim como a necessidade urgente de serem adotadas e reforçadas todas as medidas de prevenção e de proteção individuais e coletivas como:

– Não realizar ajuntamentos familiares;

– Não realizar ajuntamentos de amigos;

– Uso de máscara em todos os locais;

– Reforço do distanciamento e desinfeção das mãos.Paralelamente:

– Devem ser cumpridas todas as indicações das autoridades de saúde;

– Em caso de qualquer sintoma recorrer à linha de saúde 24;

– Será reforçada a vigilância do cumprimento das regras pelas forças de segurança;

– Ativação de linhas de apoio aos utentes para evitar deslocações;

– Será criado o ADR (Área de Doença respiratória) no concelho.

Considerando o número de infeções existentes e a elevada probabilidade de continuidade de aparecimento de novos casos, bem como os principais ambientes de transmissão verificados (familiar e amigos), não será possível quebrar a transmissão da doença sem o contributo de cada um de nós.

É, pois, o momento de juntos, mais uma vez e como sempre, fazer face às dificuldades e com o espirito de sacrifício e responsabilidade necessários ultrapassar mais esta contrariedade.

A bem da saúde de todos e de cada um.