Logo paivense
Logo paivense

Descoberta de mecanismo em vermes pode ajudar-nos a enganar a morte

Pela primeira vez, os cientistas observaram o fenómeno do rigor mortis – a “rigidez da morte” – a apoderar-se de vermes moribundos. Mas parece que os vermes conseguem voltar atrás e enganar a morte.

“O que realmente nos surpreendeu no início foi que o rigor mortis em vermes começa enquanto ainda estão vivos“, explica o biólogo molecular Evgeniy Galimov, do University College de Londres.

O estudo foi publicado na terça-feira na revista Cell Reports.

Nos humanos, a morte acontece quando o coração para de bater e o nosso cérebro deixa de funcionar – mas os nossos processos fisiológicos não possuem equivalentes exatos nos minúsculos Caenorhabditis elegans, e que é por isso que o “ceifador” tem que abordar as coisas de forma um pouco diferente aqui.

“A morte por insuficiência circulatória, como nos mamíferos, não acontece nos C. elegans”, diz Galimov. “Os vermes são tão pequenos que não precisam de um sistema circulatório para obter oxigénio para a respiração”.

Em 2013, membros da mesma equipa de pesquisa descobriram o “aspeto” da morte neste nematóide transparente, capturando uma notável “explosão de fluorescência azul intensa” que ondula através dos seus corpos à medida que as células morrem.

Desta vez, os investigadores mergulharam mais profundamente, descobrindo que a onda azul de necrose é acoplada a um rigidez do tipo rigor-mortis, enquanto os músculos do verme se restringem numa contração final de morte – mesmo que o resto do corpo continue a mexer-se como se nada de especial estivesse a acontecer.

O problema aqui é o cálcio. À medida que a morte se espalha pelo corpo, as células moribundas desencadeiam a morte das células adjacentes, liberando produtos químicos, e no momento em que essa onda imparável atinge o intestino, a fluorescência azul é gerada por uma explosão de ácido antranílico.

“É como um ‘ceifador’ azul, a rastrear a morte à medida que esta se espalha por todo o organismo até que toda a vida se extinga”, explicou um membro da equipa, David Gems, em 2013.

Claro que provavelmente está a perguntar o que é que a morte do verme tem a ver com a mortalidade humana.

Essa é uma excelente pergunta, e é algo que a equipa quer saber também. Embora existam muitas diferenças entre os corpos humanos e os nemátodos, também existem semelhanças e, se pudermos obter o suficiente sobre quais são, isso poderia nos ajudar a entender formas de prevenir a morte.

No centro do puzzle está a ATP (trifosfato de adenosina), a unidade molecular de transferência de energia encontrada em todos os seres vivos.

As células libertam o cálcio mortal quando a ATP se esgota, mas ainda não está claro exatamente como, por que e quando os níveis de ATP caem, e em que ponto a morte num organismo se torna inevitável.

Neste estudo, os níveis de ATP não diminuíram significativamente até que os nematóides estivessem muito próximos da morte, o que poderia ajudar-nos a entender mais sobre a senescência – como os nossos corpos se deterioram com a idade.

“Descobrir rigor mortis em vermes é emocionante, pois destaca um passo fundamental na cadeia de eventos desde a idade adulta saudável até a morte por velhice”, diz Gem. “Isso ajuda-nos a entender a morte nos seres humanos, e talvez no futuro para evitar a morte em pacientes fatalmente doentes”.

Antes de chegar lá, porém, há muito mais pesquisas a ser feitas. Que mais é que os C. elegans nos podem contar sobre os processos de morte do organismo? Podem ser modificados, talvez até resistir?