Início Economia Estado pode ter de pagar 700 milhões de euros na liquidação do...

Estado pode ter de pagar 700 milhões de euros na liquidação do BES

COMPARTILHAR

Manuel de Almeida / Lusa

Ricardo Salgado, ex-presidente do BES

Os credores comuns têm de receber 31,7% do seu investimento e, se não receberem na liquidação, é o Fundo de Resolução que tem de compensar.

O Fundo de Resolução arrisca ter de pagar cerca de 700 milhões de euros no processo de liquidação do Banco Espírito do Santo (BES). É este organismo, financiado pela banca mas que tem sobrevivido com injeções de dinheiros do Estado, que poderá ter de compensar credores como o Novo Banco, grandes gestoras internacionais como a Pimco ou o Fundo de Pensões da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Ainda assim, segundo o Expresso, o caminho ainda é longo. Esta sexta-feira, a comissão liquidatária do BES reconheceu um total de 5,06 mil milhões de euros de créditos por reembolsar. Deste total, 2.221.549.499 euros correspondem a créditos comuns, como por exemplo donos de obrigações seniores emitidas pelo BES, e são estes credores que podem vir a imputar custos ao Fundo de Resolução.

Em 2016, a Deloitte realizou um estudo – obrigatório por lei quando há resoluções bancárias – que concluiu que os credores comuns (seniores) do BES teriam direito a ser ressarcidos em 31,7% do valor investido. A lei é clara e afirma que estes investidores têm de receber 31,7% do seu investimento e, se não receberem na liquidação, é o Fundo de Resolução que tem de compensar.

À semelhança da legislação europeia, o Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras obriga a que seja feita uma avaliação a uma instituição que tenha sido alvo de uma resolução, com o objetivo de comparar os efeitos da intervenção com a hipótese de, na mesma data, a instituição ter ido logo para liquidação. Além disso, a lei prevê que os credores não podem sair mais prejudicados da resolução do que seriam na eventual liquidação.

Ora, se o estudo chegar a esta conclusão, alguns credores terão de ser compensados e a diferença entre o que recebem na resolução e o que conseguiriam receber na liquidação tem de ser satisfeita pelo Fundo de Resolução.

No caso do BES, como explica o jornal, não havia aplicação do exame a credores garantidos e privilegiados, já que eles transitaram para o Novo Banco na resolução e, desta forma, não saíram prejudicados.

Contudo, se o BES tivesse ido para liquidação a 3 de agosto de 2014, os credores comuns teriam recuperado 31,7% do investimento. Os subordinados nada teriam recebido, logo a nada têm direito.

Isto resulta que dos cerca de 2,2 mil milhões de euros reconhecidos, os credores comuns têm de recuperar 31,7% do investimento, ou seja, 704 milhões de euros. O ressarcimento deve ser feito primordialmente através da recuperação no processo de liquidação, mas os últimos números não são animadores, uma vez que o ativo do BES só cobre 3% de todo o passivo.

Se não houver recuperação na liquidação, é o Fundo de Resolução o responsável por assegurar que aquela percentagem é alcançada pelos credores comuns, mas a sua convocatória só poderá ser acionada no fecho do processo de liquidação.

Fonte: ZAP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.