Início Ambiente Gasóleo vendido em Portugal está a matar o elefante pigmeu. A culpa...

Gasóleo vendido em Portugal está a matar o elefante pigmeu. A culpa é do óleo de palma

Marcelo Camargo / ABr

O uso de óleo de palma na produção do gasóleo vendido em Portugal cresceu consideravelmente no último ano, de acordo com a associação ambientalista Zero que alerta que os portugueses estão, assim, a contribuir para a extinção de espécies como o elefante pigmeu quando abastecem o carro.

De acordo com dados da Zero, Portugal aumentou em cinco vezes o uso de óleo de palma na produção de gasóleo em apenas um ano.

Em 2017, utilizaram-se 7,6 milhões de litros de óleo de palma, enquanto que em 2018, foram usados 38 milhões de litros, segundo dados do Laboratório Nacional de Energia e Geologia citados pela Zero.

A Zero frisa que a principal culpada por esta realidade é a Galp que estará a recorrer mais ao uso de uma matéria-prima que está a contribuir para a destruição das florestas tropicais e que ameaça várias espécies de extinção.

“A maior parte desse óleo de palma é utilizada na refinaria da Galp em Sines, na produção de um tipo de biodiesel (HVO – Hidrogenated Vegetable Oil) que é utilizado para incorporar no gasóleo rodoviário, de forma a cumprir as metas de redução de emissões de CO2 previstas na Directiva das Energias Renováveis”, aponta a Zero.

A escolha da Galp por óleo de palma em detrimento dos óleos de colza ou de soja é por ser “mais barato”, ainda segundo a associação. “O processo de fabricação de HVO tem custos mais reduzidos recorrendo ao uso de óleo de palma do que ao óleo de colza ou soja”, frisa a Zero.

O ambientalista da Zero Francisco Ferreira alerta, em declarações à TSF, que quando abastecemos o carro estamos a contribuir para “matar” espécies ameaçadas e para a desflorestação em países como Indonésia e Malásia, de onde Portugal importa 87% do óleo de palma consumido.

“Nós não temos, às vezes, consciência, mas ao estarmos a por gasóleo com óleo de calma no nosso depósito estamos a contribuir para esta destruição”, sustenta Francisco Ferreira.

Espécies como orangotango e elefante pigmeu ameaçadas

Vastas áreas florestais no Sudeste Asiático, na América Latina e em África são desmatadas e queimadas para abrir caminho para as plantações de dendezeiro, a árvore que dá o fruto de onde se retira o óleo de palma. Isto leva não só à destruição da flora tropical, mas também motiva a libertação de quantidades elevadas de gases com efeito-estufa que promovem o aquecimento global.

Os habitats de espécies como o orangotango, o elefante pigmeu e o tigre de Sumatra são ameaçadas, colocando estes animais em risco de extinção.

Por outro lado, o gasóleo produzido com óleo de palma é muito mais nocivo para o ambiente.

Esta realidade levou a União Europeia (UE) a considerar o uso de óleo de palma como “insustentável” para o ambiente, determinando a sua eliminação até 2030.

Todavia, “a expansão do uso de óleo de palma para produção de biodiesel na Europa continua inabalável”, constata a Zero, frisando que “quase dois terços do óleo de palma consumido na UE é queimado como combustível”.

Oferta de gasóleo sem óleo de palma é “muito limitada”

Para quem quiser abastecer o carro, em Portugal, com gasóleo sem óleo de palma não há muitas opções, com a Zero a notar que “a oferta é muito limitada”.

A associação lembra que “a maior parte do gasóleo presente nos postos de abastecimento, independentemente da marca, é fornecido pelas refinarias da Galp”. Assim, “é inevitável que os consumidores que tenham veículos a gasóleo” sejam “coniventes com o uso insustentável de óleo de palma como biocombustível”, conclui.

Todavia, a Zero nota que há postos de abastecimento, “inclusive da Galp, onde o gasóleo presente não tem óleo de palma”, não sendo provenientes da refinaria de Sines, o que está assinalado no posto de venda.

A Zero apela ao Governo e aos partidos políticos para se comprometerem com a definição de “um calendário apropriado” para acabar com o uso de óleo de palma na produção de biocombustíveis “até ao final de 2020”.

A associação desafia ainda a Galp a assumir “um papel pioneiro e ambientalmente responsável” para substituir o óleo de palma por “outra matéria-prima ambientalmente mais sustentável”.

SV, ZAP //

Fonte: ZAP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

5 × 5 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.