Início Ambiente FMI quer impostos mais altos no carbono

FMI quer impostos mais altos no carbono

COMPARTILHAR

Os governos têm de avançar com taxas sobre as emissões de carbono na próxima década que desencorajem efetivamente o modelo de economia poluidora que ainda domina a economia mundial.

O ideal era travar o aquecimento global em dois graus centígrados em 2030 o que obrigaria a subir a taxa média atual de 2 dólares para 75 dólares por tonelada no final da década, segundo o Fiscal Monitor, o relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) com as recomendações sobre política orçamental apresentado esta quarta-feira em Washington. Isso implicaria em dez anos um aumento de 43% em média na eletricidade e 14% na gasolina.

“O objetivo deve ser a modificação do sistema tributário e da política orçamental de modo a desencorajar as emissões [de carbono]”, afirmou Vítor Gaspar na apresentação do Fiscal Monitor, citado pelo semanário Expresso. Este ano, a mudança climática é o tema central do relatório, apresentado na assembleia geral da organização que se iniciou esta semana nos Estados Unidos.

Gaspar, diretor do Departamento de Assuntos Orçamentais do FMI desde 2014, sublinhou que o Fundo não faz uma recomendação específica, mas afirma que as metas do Acordo de Paris de dezembro de 2015 não são suficientes.

Apesar das medidas previstas naquele acordo, a temperatura média subirá 3 graus centígrados até 2010, o que fica acima do nível considerado seguro pelos cientistas, recorda o ex-ministro português das Finanças do governo da troika.

“Cada país terá de tomar medidas que sejam ambiciosas, como, por exemplo, uma taxa sobre as emissões de carbono que suba até 75 dólares por tonelada em 2030. Não é a nossa recomendação. Muitas combinações alternativas de instrumentos [orçamentais] são discutidas no Fiscal Monitor”, refere Gaspar.

A aplicação da taxa de 75 dólares por tonelada permitiria travar o aquecimento médio em dois graus centígradosvem 2010. Uma taxa mais reduzida, entre 25 e 50 dólares, tem um impacto menos ambicioso, permitindo o aumento até 2,5 graus centígrados.

A taxa mais alta implicaria um disparo dos preços da energia para as famílias, que, em média, seria de 43% numa década. No entanto, o impacto seria muito maior na África do Sul (89%), na China (64%) e nos EUA (53%), do que em França (apenas 2%) e na Alemanha e na Itália (18%). A gasolina custaria mais 14% em média.

Atualmente 50 países aplicam um tipo de taxa, mas a média global é de dois dólares por tonelada. A Suécia é apontada pelo FMI como um exemplo, com uma taxa de 127 dólares por tonelada e já conseguiu reduzir as emissões em 25% nos últimos 25 anos.

Fonte: ZAP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

7 + four =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.