José Coelho / Lusa

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra recebeu 100 máscaras descartáveis com bichos no interior das embalagens. É “ridículo” que as máscaras que servem “para proteger de um bicho”, venham “com outro bicho”, critica o Sindicato.

A situação é reportada pelo Jornal de Notícias (JN) que avança que ao Tribunal de Sintra chegaram 100 máscaras descartáveis com bichos no interior das embalagens.

Algumas das máscaras terão sido usadas sem que as pessoas se tenham apercebido que continham bichos.

A Direcção-Geral da Administração da Justiça (DGAJ), tutelada pelo Ministério da Justiça, já confirmou, garantindo que as duas embalagens com 50 máscaras cada vão ser substituídas.

Até ao momento, a DGAJ refere não ter “registo desta situação se ter verificado em outros tribunais”, mas assegura que pretende “apurar se existem situações semelhantes” noutros locais.

Torna-se ridículo. As máscaras servem para proteger quem trabalha nos tribunais, para proteger de um bicho e vêm com outro bicho“, lamenta, em declarações ao JN, o coordenador regional de Lisboa do Sindicato dos Funcionários Judiciais, António Albuquerque.

As máscaras terão sido importadas da Holanda, mas serão de fabrico chinês. Dados peculiares quando se tem noticiado que Portugal está a produzir mais de um milhão de máscaras por dia.

No início de Maio, o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, referiu que “as empresas portuguesas não só produzem para o mercado nacional como já começam a produzir também para exportação“.

O JN apurou que o Ministério da Justiça já gastou 600 mil euros em material de protecção para os tribunais no âmbito da pandemia de covid-19, dos quais 340 mil serão máscaras, 11.071 viseiras, 96.540 pares de luvas, 276 termómetros e 785 separadores acrílicos para as áreas de atendimento.

Fonte: ZAP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

6 + 20 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.