(dr) Laura Haanpaa

O Governo espera reaver quase dois terços das verbas gastas em medidas adotadas especificamente para responder à pandemia, que já custou 3.733 milhões de euros às administrações públicas.

Segundo avançou esta quarta-feira o Jornal de Negócios, desse valor, 64% (2.423 milhões de euros) dizem respeito a prorrogações e adiamentos de impostos.

Estes valores ajudam a explicar o défice de 6.776 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, como mostrou o boletim de execução orçamental publicado esta semana pela Direção-geral do Orçamento (DGO).

Dados da DGO indicam que a medida com maior impacto na receita foi o alargamento do prazo de autoliquidação do modelo 22 do IRC, até ao final de julho. Só a flexibilização do IRC implicou o adiamento da entrada de 1.544,6 milhões de euros nos cofres públicos.


Fonte: ZAP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

17 − 17 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.