Logo paivense
Logo paivense

Faca feita de fezes entre os vencedores deste ano dos prémios Ig Nobel

M. I. Eren et al., 2019

Faca feita com fezes congeladas.

Uma faca feita com fezes congeladas e um jacaré a arrotar são alguns dos vencedores dos prémis Ig Nobel, que distinguem as invenções mais incomuns.

Os prémios Ig Nobel – uma paródia dos prémios atribuídos pelas academias suecas e norueguesa – foram criados para premiar invenções incomuns. O conceito surgiu em 1991 por Marc Abrahams, editor da revista “Annals of Improbable Research”. O mote dos prémios é distinguir feitos que “não podem ou não devem ser reproduzidos”.

Normalmente, a entrega dos prémios é feita através de uma transmissão em direto na rádio e na Internet. Este ano, devido à pandemia, a cerimónia foi convertida numa transmissão pré-gravada, que, mesmo assim, contou com a participação de laureados dos verdadeiros prémios Nobel.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=Amkyp-dhYX0?feature=oembed&w=700&h=394]

Segundo o Expresso, um dos prémios honrou a descoberta do antropólogo Metin Eren, do Ohio. Um mito urbano conta a história de um canadiano de etnia inuit que fabricou uma faca a partir das suas próprias fezes congeladas. Ao estilo de ‘Os Caçadores de Mitos’, Eren tentou replicar a experiência.

“As facas de cócó foram um falhanço miserável”, admitiu Eren em entrevista ao jornal britânico The Telegraph, reconhecendo que o prémio foi “a realização de um sonho”. Os resultados da investigação foram publicados no ano passado no Journal of Archaeological Sciece: Reports.

Em 2020 o prémio de Medicina foi para um estudo sobre misofonia. A palavra consiste em ficar enervado ao ouvir outras pessoas fazer certos sons, como mastigar.

Um outro prémio distinguiu um cientista que investigou por que motivo os estudiosos de insetos desenvolvem aversão a aranhas. O estudo foi publicado na revista científica American Entomologist.

Os Presidentes do Brasil (Jair Bolsonaro), México (André Manuel López Obrador), Bielorrússia (Alexander Lukashenko), Estados Unidos (Donald Trup), Turquia (Recep Tayyip Erdogan), Rússia (Vladimir Putin) e Turquemenistão (Gurbanguly Berdimuhamedov) e os primeiros-ministros do Reino Unido (Boris Johnson) e da Índia (Narendra Modi) também foram distinguidos nesta gala.

Estes líderes foram laureados com o prémio Ig Nobel por mostrarem, através da covid-19, que os políticos podem ter um efeito mais direto em questões de vida ou morte do que os cientistas e os médicos.

Um grupo de investigadores que fez um jacaré-da-china fêmea arrotar numa câmara hermética com ar rico em hélio também foram premiados na categoria de Acústica.

Na Psicologia, um cientista identificou um método que identifica narcisistas observando as suas sobrancelhas. Na Física, investigadores australianos descobriram que as minhocas vibram como a água. Na Economia, o prémio foi para o estudo da correlação entre a desigualdade de rendimentos num país e a média de beijos na boca dados pelos seus cidadãos, escreve o Expresso.

O prémio Ig Nobel da Gestão foi para um cinco assassinos profissionais chineses que sucessivamente subcontrataram um homicídio, sem que nenhum deles o perpetuasse. O prémio da Paz foi para os governos da Índia e do Paquistão, cujos diplomatas se dedicam a tocar às campainhas uns dos outros, a meio da noite, fugindo em seguida.