Logo paivense
Logo paivense

Há uma nova explicação para o naufrágio do Titanic: Uma fantástica Aurora Boreal

Tobias Bjørkli / Pexels; Roland Arhelger / Wikimedia

Todos conhecemos a história do Titanic. Também todos sabemos que o seu naufrágio aconteceu após o grande navio ter embatido num iceberg. Contudo, um investigador americano põe novas hipóteses em cima da mesa. E se uma fantástica Aurora Boreal fosse a principal causa deste histórico acidente?

O naufrágio do Titanic tem sido assunto de muitos livros, artigos e filmes. Ao que tudo indica, o navio inafundável afundou-se devido a uma colisão com um iceberg. Mas como é que isso aconteceu?

Uma meteorologista norte-americana acredita que a Aurora Boreal, mais conhecida como Northern Lights, desempenhou um papel no naufrágio do Titanic. Num artigo publicado na Royal Meteorological Society em agosto, Mila Zinkova explica que este fenómeno optico trouxe problemas de navegação que fizeram com que o famoso navio colidisse com um iceberg.

O Titanic foi o maior navio já construído na época, e teve o seu acidente durante uma viagem em 1912. Cinco dias após o início da viagem, o navio bateu num iceberg e isso fez com que o casco partisse. O gigante afundou em apenas duas horas e meia, e cerca de 1500 passageiros e tripulantes morreram afogados.

A investigação oficial do naufrágio do Titanic concluiu que o capitão e o projeto do navio eram os culpados pelo acidente. Agora, uma investigadora acredita que a Aurora Boreal foi o fator que mais contribuiu para o desastre. Relata-se que pelo menos quatro sobreviventes do navio mais famoso do mundo viram as luzes de uma explosão solar na noite fatídica.

Zinkova disse à Hakai Magazine que “a maioria das pessoas que relataram ou retrataram o acidente do Titanic não sabem que as luzes foram vistas naquela noite”. Esse fenómeno, conhecido como erupção solar, é um verdadeiro espetáculo de luzes nos céus, causado por partículas carregadas pelo sol.

James Bisset, segundo oficial do RMS Carpathia – o primeiro navio a chegar ao local após o acidente – escreveu no seu diário que a “Aurora Boreal brilhava intensamente disparando raios do horizonte norte” na noite do naufrágio. Embora a Aurora Boreal possa ser linda, também é considerada como potencialmente perigosa, pois está associada a tempestades geomagnéticas.

Tempestades geomagnéticas afetam redes sem fios

Zinkova explica que a  “tempestade geomagnética pode ter sido tão grande que influenciou a navegação a um nível baixo, mas ainda assim significativo”. Este acontecimento pode ter feito com que a tripulação decidisse fazer ajustes de navegação, o que acabaria por colocar o navio ligeiramente fora de curso. Esta inesperada deslocação fez com que o navio se deparasse com um iceberg gigantesco, onde acabou por embater.

A investigadora explica que nesta situação “mesmo que a bússola se movesse apenas um grau, já pode ter feito toda a diferença”. A explosão solar provavelmente também interrompeu o equipamento de comunicação sem fios que era auxiliar da tripulação. Por causa da explosão solar, o Titanic ficou incapaz de pedir ajuda rapidamente, e isso pode ter sido a da morte de muitas pessoas.

A meteorologista acredita que o acontecimento foi forte o suficiente para impedir que equipamentos sem fio e a bússola funcionassem adequadamente.

Zinkova explica que “o evento meteorológico espacial veio na forma de uma tempestade geomagnética moderada a forte, e as evidências observacionais sugerem que estava em vigor no Atlântico Norte no momento da tragédia.” Mesmo hoje, é bem conhecido que eventos climáticos espaciais podem interromper a tecnologia.

Chris Scott, da University of Reading – que não esteve envolvido no estudo –  disse à Hakai Magazine que um exemplo de perturbação do clima espacial também ocorreu “em 1972, quando dezenas de minas marítimas explodiram de repente na costa do Vietname – acredita-se que também nesta situação o clima espacial foi o causa“.

Ironicamente, a aurora boreal pode ter ajudado

O investigador americano também acredita que o clima espacial incomum contribuiu para o naufrágio do Titanic. No entanto, ironicamente, a explosão solar pode ter ajudado nos esforços de resgate.

O “Carpathia conseguiu navegar diretamente para os botes salva-vidas à deriva do Titanic”, disse Scott que considera que isto aconteceu porque o clima espacial impediu a tripulação do Titanic de enviar as coordenadas incorretas para Carpathia. Para além disso, a iluminação do céu pode ter permitido que se vissem os botes salva-vidas do Titanic.

Ainda assim, nem todos concordam com esta teoria. Tim Maltin – um conhecido especialista no acidente do Titanic – admitiu que embora tenha ocorrido uma explosão solar naquela noite terrível, “não foi um fator significativo para o naufrágio”.

Alguns especialistas acreditam que uma poderosa explosão solar poderia destruir ou paralisar a sociedade humana moderna, pois esta é muito dependente de tecnologias.