Logo paivense
Logo paivense

Inteligência Artificial aprende a distinguir o rugido dos leões

O rugido de um leão é um dos sons mais atrativos da natureza. Uma equipa de cientistas da Universidade de Oxford descobriu formas precisas de identificar o rugido de cada leão através da Inteligência Artificial (IA). 

Investigadores da Universidade de Oxford desenvolveram um dispositivo – biologger – que grava áudios e dados de movimento. Este aparelho permite que os cientistas associem com segurança cada rugido ao leão correto, fazendo referência cruzada de dados de áudio e movimento através de grandes conjuntos de dados de gravações de rugidos.

Depois de recolher vários dados, os cientistas treinaram um algoritmo de reconhecimento de padrões para “aprender” os rugidos de cada animal e, de seguida, testaram-no em sequências inéditas para determinar se a forma do contorno como um todo é uma característica distintiva, explica o Phys.

Os resultados mostraram que é possível classificar os rugidos de acordo com a identidade individual com 91,5% de precisão. Segundo o artigo científico, publicado recentemente na Bioacoustics, a forma geral da frequência fundamental (f0) do contorno do rugido pulmonar é consistente com os rugidos individuais e suficientemente diferente de outros indivíduos para permitir uma classificação precisa da identidade individual.

Esta descoberta revela um possível mecanismo de reconhecimento de voz individual entre os leões africanos. Os cientistas sublinham que os animais podem ser capazes de aprender variações subtis na frequência fundamental dos rugidos de outros leões e, assim, associar variações a identidades individuais.

“O número de leões africanos está a diminuir e o desenvolvimento de ferramentas económicas para monitorizar e proteger as populações é uma prioridade de conservação. A capacidade de avaliar remotamente o número de leões individuais numa população a partir dos rugidos pode revolucionar a maneira como as populações de leões são avaliadas”, disse o cientista Andrew Loveridge.

“Ser capaz de distinguir com precisão entre rugidos individuais usando algoritmos pode facilitar o desenvolvimento de técnicas alternativas para avaliar a densidade populacional e rastrear movimentos individuais na paisagem”, rematou.