Logo paivense
Logo paivense

Jesus Cristo é retratado como um europeu branco. A História explica porquê

A representação de Jesus como um homem branco e europeu passou por um exame minucioso durante este período de introspeção sobre o legado de racismo na sociedade.

Enquanto os manifestantes pediam a remoção das estátuas de Confederados nos EUA, o ativista Shaun King foi mais além, sugerindo que murais e obras de arte que representassem “Jesus branco” deveriam ser retiradas.

As suas preocupações sobre a representação de Cristo e como ela é usada para sustentar noções de supremacia branca não são isoladas. Eruditos proeminentes e o arcebispo de Canterbury pediram para reconsiderar o retrato de Jesus como um homem branco, conta Anna Swartwood House, professora de História da Arte na Universidade da Carolina do Sul, num texto publicado pelo The Conversation.

Warner Sallmans

“Head of Christ” (1940), de Warner Sallmans

Algumas das representações mais conhecidas de Cristo, da “Última Ceia” de Leonardo da Vinci ao “Último Julgamento” de Miguel Ângelo na Capela Sistina, foram produzidas durante entre 1350 e 1600.

Mas a imagem mais reproduzida de todos os tempos de Jesus vem de outro período. É a “Cabeça de Cristo” de Warner Sallman, de 1940. Sallman, um antigo artista comercial que criou arte para campanhas publicitárias, vendeu com sucesso essa imagem no mundo inteiro.

Através de parcerias de Sallman com duas editoras cristãs, uma protestante e uma católica, a “Cabeça de Cristo” passou a ser incluída em tudo, desde cartões de oração a vitrais, pinturas a óleo falsas e calendários.

A pintura de Sallman culmina uma longa tradição de europeus brancos a criar e divulgar figuras de Cristo feitas à sua própria imagem.

À procura do rosto sagrado

Jesus provavelmente tinha os olhos castanhos e a pele de outros judeus do primeiro século da Galileia. Mas ninguém sabe exatamente como era Jesus. Não há imagens conhecidas de Jesus e, embora os reis Saúl e David do Antigo Testamento sejam explicitamente chamados altos e bonitos na Bíblia, há pouca indicação da aparência de Jesus no Antigo ou Novo Testamento.

Até esses textos são contraditórios: O profeta do Antigo Testamento Isaías lê que o futuro salvador “não tinha beleza nem majestade”, enquanto o Livro dos Salmos afirma que ele era “mais belo do que os filhos dos homens”.

As primeiras imagens de Jesus Cristo surgiram no primeiro ao terceiro século d.C., entre preocupações com a idolatria. Eles estavam menos interessados em capturar a aparência real de Cristo do que em esclarecer o seu papel como salvador.

Para indicar claramente esses papéis, os primeiros artistas cristãos costumavam confiar no sincretismo, o que significa que combinavam formatos visuais de outras culturas.

Jesus branco no estrangeiro

Enquanto os europeus colonizavam terras cada vez mais distantes, eles trouxeram um Jesus europeu com eles. Os missionários jesuítas estabeleceram escolas de pintura que ensinavam aos cristãos convertidos arte cristã no jeito europeu.

Um pequeno retábulo feito na escola de Giovanni Niccolò, o jesuíta italiano que fundou o “Seminário de Pintores” em Kumamoto, Japão, por volta de 1590, combina um santuário tradicional japonês em ouro e madrepérola com uma pintura de uma distintamente branca e europeia madona e o seu filho.

Na América Latina colonial, as imagens de um Jesus branco reforçavam um sistema de classes em que europeus cristãos brancos ocupavam o nível superior, enquanto aqueles com pele mais escura de mistura com populações nativas, eram consideravelmente inferiores.