Logo paivense
Logo paivense

Johnson diz que nova variante do vírus pode ser mais mortal

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou hoje (22) que há evidências de que esta nova variante da Covid-19 descoberta no fim do ano passado pode estar associada a uma mortalidade maior. Em uma entrevista coletiva, ele destacou que: “Fomos informados hoje que além de se espalhar mais rapidamente, agora também parece que há algumas evidências de que a nova variante, a variante que foi descoberta pela primeira vez em Londres e no sudeste (da Inglaterra), pode estar associada a um alto grau de mortalidade.

“Além dele, quem demonstrou tal preocupação foi o conselheiro científico chefe do Reino Unido, Patrick Vallance. Ao analisar os dados sobre os que tiveram resultado positivo, ele acrescentou: “Há evidências de que há um risco maior para quem tem a nova variante, em comparação com o vírus antigo”.

“Se você pegasse um homem na casa dos 60 anos, o risco médio é que, para 1.000 pessoas infectadas, espera-se que cerca de 10 morram, infelizmente, com o vírus. Com a nova variante, para 1.000 pessoas infectadas, cerca de 13 ou 14 espera-se que as pessoas morram”, disse ainda.

Mesmo assim, o primeiro-ministro segue confiante de que as vacinas permaneçam eficazes contra variantes antigas e novas.

Além disso, ele também afirmou na entrevista que o governo não deve flexibilizar as restrições do lockdown com as atuais altas taxas de infecção e até que haja confiança de que o programa de vacinação está funcionando: “Você não pode desbloquear enquanto as taxas de infecção são tão altas”, disse ele em uma coletiva de imprensa na sexta-feira.

“Nós realmente não podemos começar a considerar o desbloqueio até que estejamos confiantes de que o programa de vacinação está funcionando”.

Até o momento, a Grã Bretanha tem mantido a proibição da maioria das viagens internacionais. A partir da próxima segunda-feira será exigido um teste negativo antes da partida para os viajantes, além de mais um período de quarentena na chegada.