Logo paivense
Logo paivense

MAC terá oferecido 500 euros à hora para colmatar a falta de anestesistas. Ninguém concorreu

De forma a colmatar a falta de anestesistas de serviço durante o Natal, a administração da Maternidade Alfredo da Costa (MAC) terá oferecido 500 euros por hora para preencher as vagas de dia 24 e 25 de dezembro. A iniciativa não surtiu efeito, não tendo registado nenhum candidato.

A notícia, avançada nesta quarta-feira pelo jornal i, dá conta que a administração do MAC, a terceira maior maternidade de país, terá avançado com a iniciativa visando dar resposta à falta de anestesistas em serviço, que na passada segunda e terça-feira (véspera e dia da Natal) contou apenas com um profissional nesta área.

Neste sentido, e tal como tinha já sido noticiado, a urgência da MAC esteve encerrada na véspera de Natal, tendo todas as grávidas sido desviadas para outras unidades hospitalares da região de Lisboa. Apesar do incentivo que a unidades hospitalar terá dado, não houve um único candidato, escreve ainda o diário.

Fonte do Centro Hospitalar de Lisboa Central explicou à agência Lusa que “a urgência [da MAC] está aberta, só se for algum caso em que o parto não seja urgente será encaminhado para outro hospital. As senhoras podem vir, serão observadas na Maternidade, depois da análise da sua situação, será decidido o que fazer”.

Acrescentando ainda que, “Se não for urgente, se não for iminente o parto, será encaminhado para outra unidade”, da rede do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Já Clara Soares, diretora do serviço de urgência da MAC, garantia que o “défice de anestesistas” era inédito, apelando às pacientes que mantivessem a tranquilidade caso tivessem de ser encaminhadas para outro hospital.

Por seu turno, a ministra da Saúde, aproveitando a visita ao Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, reforçou a importância de “captar, reter, voluntariamente” os profissionais para continuarem no SNS. “É importante que nós percebamos como é que conseguimos captar, reter, voluntariamente, estes profissionais e é um trabalho que vamos continuar a desenvolver”, disse Marta Temido.

Fonte: ZAP