Logo paivense
Logo paivense

Mandaram calar Bruno de Carvalho (que só pensa em reforçar poderes)

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=GX7vanDCmL8?feature=oembed&w=700&h=394]

Um adepto do Sporting mandou calar Bruno de Carvalho, enquanto o presidente leonino discursava no 11.º almoço dos sportinguistas de Alenquer. Um sinal de desgaste com o dirigente quando o seu Conselho Directivo propõe uma mudança nos estatutos do clube para reforçar poderes.

O presidente do Sporting marcou presença, neste domingo, no 11.º almoço dos sportinguistas de Alenquer. E durante o seu discurso, que estava a ser transmitido em directo na Sporting TV, um adepto gritou-lhe “Cala-te!”.

Bruno de Carvalho dizia, na altura, que “tudo o que não é feito nos nossos rivais é feito no Sporting”. O adepto não gostou de o ouvir a falar nos adversários e manifestou-se daquela forma. “Vens para aqui falar do Benfica para quê? Fala do Sporting, não fales do Benfica”, atirou o sportinguista descontente.

Bruno quer “uma prova inequívoca” dos sócios

Este sinal de desagrado de um adepto surge numa altura em que Bruno de Carvalho apela aos sócios do Sporting para manifestem o seu claro apoio à direcção.

“Ou vocês dão, nos próximos tempos, uma prova inequívoca de que o Sporting continua a ser aquele Sporting em que tanto trabalhámos, de pessoas de cabeça levantada, felizes por terem ganho quase tudo, ou, se estão infelizes, não será comigo ou com esta direcção que continuarão infelizes”, salientou o dirigente leonino em Alenquer, em declarações divulgadas pelo Record.

“Aqui dou o compromisso, em nome das minhas filhas, de que se houver uma AG de destituição, eu voto a favor dela. Pela saúde das minhas filhas. Para dizerem que mais isento não posso ser. Vou lá e ponho a cruzinha“, atirou ainda Bruno de Carvalho.

Isto para alertar os adeptos de que “quem for votar nessa Assembleia Geral vai assumir a responsabilidade das decisões que tomar“. “Não se esqueçam: nós temos responsabilidades pessoais e temos família”, avisou ainda o líder dos leões.

“Se eu chegar e disser vou embora, pela lei sou responsável por aquilo que outros vão para lá fazer, basta o outro dizer ‘isto está um horror’. Mas vou estar a mexer no dinheiro – pouco, coitadas – das minhas filhas por causa do Sporting? Não. Então, tirem-nos de lá. Mas a parti daí diz a lei, assume a responsabilidade quem toma a decisão”, acrescentou Bruno de Carvalho.

“Claro que não são os sócios que vão pagar, mas os que vierem a seguir desta golpada vão ter essa responsabilidade“, concluiu o presidente do Sporting.

Propostas para reforçar poderes

Entretanto, a direcção do Sporting vai propor a alteração de três artigos dos estatutos do clube, dois sobre a renúncia de titulares de mandatos, e outro sobre a nomeação de dirigentes, na Assembleia Geral de 17 de Junho, segundo apurou a Agência Lusa.

Uma das propostas prevê a possibilidade de haver órgãos sociais transitórios, em caso de cessação de mandatos, individuais ou colectivas, que provoquem a queda do Conselho Directivo, da Mesa da AG e do Conselho Fiscal e Disciplinar.

A direcção leonina pretende também que os estatutos permitam que o presidente possa indicar para este órgão “outros sócios efectivos”, assim como a possibilidade de “nomear novos membros para preenchimento de vagas até ao limite máximo estatutariamente previsto”.

Após a designação das comissões transitórias, deve ser convocado um acto eleitoral para o órgão substituído, no prazo de seis meses, propõe ainda o Conselho Directivo do Sporting.

Estas propostas integram a agenda da reunião magna convocada pela comissão transitória da Mesa da AG do Sporting, marcada para 17 de Junho, pelas 14 horas, no Pavilhão João Rocha, em Lisboa. Esta reunião de sócios prevê ainda a aprovação de mais dois artigos, um sobre a prorrogação de prazos de apresentação do Relatório e Contas e outro sobre a dissolução do Sporting.

Fonte: ZAP