Logo paivense
Logo paivense

Múmia egípcia com cabeças de princesa e de crocodilo exibida pela primeira vez

Uma antiga múmia egípcia com duas cabeças, uma de uma princesa e outra de um crocodilo, foi exibida pela primeira vez na Turquia, depois de ter sido escondida do público durante mais de um Século por ordem do Sultão otomano Abdulhamid II.

O jornal Hurriyet salienta que, segundo especialistas turcos, a múmia é composta por restos de uma princesa do Antigo Egipto não identificada e pelo corpo e o crânio de um crocodilo do Nilo.

A explicar esta estranha múmia, há uma lenda que conta que a menina morreu atacada por um destes répteis. Por isso, os governantes daquela época decidiram juntar os corpos, acreditando que assim a jovem herdeira do Faraó ressuscitaria, transformando-se num crocodilo.

Inicialmente, a múmia permaneceu no Palácio de Yildiz, em Istambul, a capital da Turquia, depois de ter sido trazida do Egipto pelo Sultão Abdulaziz, em meados do Século XIX. E foi uma situação anedótica que levou à transferência da múmia para outro palácio, como escreveu na década de 1950 o historiador turco Ibrahim Hakki Konyali.

Aparentemente, um dos servos do Palácio de Yildiz queria que o confeiteiro da corte lhe desse doces. Como o pedido foi recusado, ele decidiu então fazer uma brincadeira, colocando a cabeça do crocodilo sobre as pilhas de sacos de açúcar do armazém do palácio.

À noite, o criado começou a reproduzir sons no depósito para chamar a atenção. Assustados, os moradores do Palácio foram até ao local de onde vinha o barulho, e descobriram horrorizados a cabeça do réptil e acreditaram que ela era a fonte dos barulhos.

De seguida, o empregado apareceu e disse que retiraria a cabeça com a condição de que o confeiteiro aceitasse as suas exigências.

Depois disso, o Sultão decidiu que a múmia fosse transferida para a sua actual residência no Palácio de Topkapi, também em Istambul, para aliviar as tensões.