Início Ciência Diagnóstico errado de esquizofrenia foi, afinal, provocado por arranhão de gato

Diagnóstico errado de esquizofrenia foi, afinal, provocado por arranhão de gato

COMPARTILHAR

Subitamente, um adolescente dos EUA começou a experienciar pensamentos psicóticos intensos: alucinações, delírios, pensamentos suicidas e homicidas. Sem sinais prévios de doença mental, tudo apontava para esquizofrenia.

Porém, quando todos os tratamentos normais falharam no rapaz de 14 anos, os médicos procuraram noutro lugar e encontraram um problema bem diferente.

O verdadeiro culpado pelo declínio da saúde mental do adolescente foi uma bactéria associada ao que é conhecido como “doença do arranhão do gato”. O paciente está bem, mas o caso deixou os investigadores curiosos sobre as ligações entre infeção e doença neurológica.

A Bartonella henselae é uma bactéria que costuma estar presente no sangue de gatos, especialmente crias. Transmitido através de uma mordida ou arranhão, pode produzir inchaço e lesões localizadas e, ocasionalmente, problemas mais sérios no coração e no sistema nervoso. Mas uma coisa pela qual não é conhecida é por causar esquizofrenia.

Quando o adolescente, descrito como sociável e feliz, desenvolveu de repente um leque de sintomas em 2015 – incluindo ameaças de suicídio – ninguém pensou numa infeção.

Investigadores da Universidade Estadual da Carolina do Norte, nos EUA, sugerem que este poderia ser um exemplo claro de um vínculo que anteriormente ignorado. “Este caso é interessante por uma série de razões”, referiu Ed Breitschwerdt.

“Além de sugerir que a própria infeção por Bartonella poderia contribuir para distúrbios neuropsiquiátricos progressivos, como a esquizofrenia, levanta a questão de quantas vezes a infeção pode ter estado envolvida com distúrbios psiquiátricos em geral”, disse, de acordo com o estudo publicado na revista Journal of Central Nervous System Disease.

O resultado do jovem foi feliz no final, mas demorou algum tempo para chegar lá. Os tratamentos iniciais não foram totalmente ineficazes. Uma semana a tomar aripiprazol no hospital ajudou a reduzir a as ideias suicidas e homicidas, mas ainda o deixou a experienciar psicose.

Nas semanas seguintes, tornou-se cada vez mais disfuncional, com explosões de raiva e medos irracionais, tornando a vida normal impossível – até suspeitava que o gato da família estava disposto a matá-lo.

Só depois de dez meses é que que os pais se depararam com a primeira pista de que outra coisa estava a acontecer. Eram pouco mais do que linhas vermelhas na sua pele – erupções tomadas como os tipos de estrias que os adolescentes têm quando crescem.

No início de 2017, um médico avaliou as lesões e ligou os pontos, sugerindo que as bactérias transmitidas por gatos poderiam estar por trás da psicose. Não é desconhecido que neurobartonellosis – o impacto neurológico de uma infecção por Bartonella –  possa influenciar o comportamento, causando episódios de confusão e sintomas neurológicos.

Há evidências crescentes que sugerem que o parasita protozoário Toxoplasma gondii, também associado aos pequenos felinos, está ligado à esquizofrenia. Felizmente, os sintomas de psicose da criança diminuíram após fazer quimioterapia antimicrobiana, fazendo com que regressasse ao seu estado anterior de saúde física e mental.

O caso oferece uma peça intrigante de evidência que apoia a visão emergente de que, em pelo menos uma proporção de casos, sintomas de comprometimento neurológico podem ter as suas raízes numa infecção. Não só a esquizofrenia, mas também o Alzheimer e até a doença de Parkinson, podem ter uma relação complicada com os micróbios.

“Além deste caso, há muito movimento na tentativa de entender o papel potencial de infeções virais e bacterianas nestas doenças clinicamente complexas. Este caso dá-nos a prova de que pode haver uma conexão e oferece uma oportunidade para futuras investigações”, disse Breitschwerdt.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

one × 3 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.