Início Ciência Descoberta árvore que está a crescer há 2.624 anos num pântano dos...

Descoberta árvore que está a crescer há 2.624 anos num pântano dos EUA

COMPARTILHAR

(dr) University of Arkansas

Uma árvore cresce na Carolina do Norte e está a crescer há muito tempo. Cientistas que estudavam anéis de árvores no Pantanal Black River descobriram uma árvore de cipreste calvo com pelo menos 2.624 anos de idade.

De acordo com um novo estudo publicado na revista Environmental Research Communications, a árvore é uma das mais antigas árvores não clónicas que se reproduzem sexualmente. Com 2.624 anos, a árvore é mais velha que o Cristianismo, o Império Romano e a língua inglesa.

Investigadores descobriram o antigo cipreste enquanto estudavam anéis de árvores para juntar a história climática do leste dos EUA. Por causa do trabalho de campo anterior, a equipa sabia que um determinado local de ciprestes no Three Sisters Swamp do Rio Negro era um dos mais antigos aglomerados de árvores do país. Essa investigação anterior identificou várias árvores entre 1.000 e 1.650 anos de idade.

O novo estudo revela que os ciprestes têm uma longevidade ainda maior do que os cientistas imaginavam. Além da árvore de 2.624 anos, os investigadores descobriram um cipreste de 2.088 anos de idade no mesmo pântano – e é provável que haja mais.

“Como só datámos 110 ciprestes vivos neste local, uma pequena fração das dezenas de milhares de árvores ainda presentes nestas terras húmidas, pode haver vários ciprestes individuais com mais de 2.000 anos ao longo de aproximadamente cem quilómetros”, escreveram no estudo.

Os ciprestes são agora as mais antigas espécies conhecidas de terras húmidas da Terra. Esta descoberta também faz do cipreste a quinta mais antiga espécie de árvore não-clonal da Terra. Apenas árvores individuais da seringueira, sequóias gigantes, alerces e pinheiros bristlecone são mais antigos.

O pinheiro bristlecone mais antigo do mundo, localizado nas Montanhas Brancas da Califórnia, tem 5.066 anos – aproximadamente o dobro da idade do cipreste recém-descoberto. Acredita-se que a árvore clonal mais antiga esteja no bosque de álamos tremendos conhecidos como Pando, em Utah.

Embora as árvores antigas descritas neste estudo vivam em terras protegidas de propriedade privada, a sua existência continua ameaçada pela exploração madeireira e pelas operações agrícolas de biomassa noutras partes do rio, bem como pela poluição industrial e mudanças climáticas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

6 + 4 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.