Início Economia Facebook quer lançar criptomoeda própria já em 2020

Facebook quer lançar criptomoeda própria já em 2020

COMPARTILHAR

Presidência do Peru

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg

O Facebook pretende lançar a sua própria criptomoeda em cerca de 12 países já no início de 2020, avançou a BBC na passada sexta-feira.

De acordo com a emissora britânica, a moeda – conhecida internamente como GlobalCoin – permitirá que as pessoas troquem dólares, euros e outras moedas internacionais por moedas digitais para depois ser possível utilizar a criptomoeda para compras (em loja física ou online) ou para transferir dinheiro sem que seja necessário criar uma conta bancária.

Os testes iniciais à GlobalCoin devem arrancar ainda este ano.

De acordo com a imprensa, o diretor executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, já discutiu a proposta com funcionários do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, bem como com Mark Carney, gerente do Banco da Inglaterra.

Zuckerberg está atualmente em negociações com empresas de transferências monetárias, incluindo a Western Union, para desenvolver maneiras seguras e acessíveis para que as pessoas possam enviar e receber dinheiro.

O The Financial Times adianta ainda que o Facebook também manteve conversações com as mais populares bolsas de criptomoedas nos Estados Unidos, a Coinbase e a Gemini.

Esta não é a primeira vez que a imprensa internacional dá conta do interesse do Facebook neste tipo de projetos. Já em dezembro a Bloomberg noticiava que a empresa de Zuckerberg estava trabalhar para criar uma criptomoeda para o WhatsApp, visando sobretudo o mercado indiano.

No início de maio, o The Wall Street Journal noticiava que o Facebook levaria cerca de um ano a desenvolver uma iniciativa secreta apelidada de “Projeto Libra”, com com o objetivo de criar um sistema de pagamento através de criptomoedas dentro da sua plataforma, que incluiria também o uso uma criptomoeda própria.

Fonte: ZAP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.