Doug Smith / NPS

No inverno de 2019/2020, cerca de 463 lobos foram mortos na Colúmbia Britânica como parte de um programa de abate patrocinado pelo Estado para ajudar a “renascer” a população cada vez menor de renas. No entanto, estas mortes foram baseadas em estatísticas duvidosas.

As renas de montanha, um ecótipo da subespécie de rena da floresta (Rangifer tarandus caribou) que já foi encontrada no sul de Idaho e Montana, foram listadas como uma espécie “ameaçada” pelas autoridades da vida selvagem canadianas em 2012, após um rápido declínio dos números da população nas recentes décadas.

Muitos argumentaram que o declínio da espécie se devia principalmente a anos de contínua degradação do habitat, enquanto outros propuseram que os predadores e os níveis altos de predação eram os principais culpados.

Em 2005, de acordo com o IFLScience, a última teoria levou o Governo da Colúmbia Britânica a lançar um dispendioso “plano de recuperação de renas” que enviou atiradores de elite em helicópteros de voo baixo para matar lobos. O objetivo passava por diminuir o número de predadores para que a população de renas pudesse recuparar os seus números anteriores.

No início de 2019, um estudo apoiou o abate de lobos, alegando que a rena podia ser salva através de uma operação de gestão de vida selvagem que envolvia a matança de lobos e a vedação de renas grávidas. O governo da província matou 463 lobos no inverno de 2019/2020, de acordo com um e-mail enviado pelo Ministério das Florestas, Terras, Operações de Recursos Naturais e Desenvolvimento Rural.

Agora, num novo estudo publicado esta semana na revista científica Biodiversity and Conservation, os cientistas defendem que a investigação de 2019 estava errada e que o abate foi baseado em suposições falsas.

Investigadores da Universidade de Alberta usaram simulações de dados sobre renas de montanha na Colúmbia Britânica e descobriram que os lobos tinham pouco a ver com o seu desaparecimento. Alguns dos declínios mais acentuados foram observados nas renas de neve profunda que vivem no sul da Colúmbia Britânica, onde os lobos não são os principais predadores – mas sim pumas, ursos e glutões.

Segundo o estudo, a investigação de 2019 cometeu o erro fatal de não usar um modelo nulo, que é uma ferramenta estatística frequentemente usada em dados ecológicos que determina se um fator tem um impacto real no padrão geral ou se a tendência é apenas parte de uma variação aleatória. De acordo com esse modelo, o impacto das abates de lobos e renas não foi tão relevante como o estudo de 2019 indicou.

“Não importa como se calcula, as estatísticas não apoiam lobos abatidos nem renas vedadas”, disse Viktoria Wagner, do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade de Alberta, em comunicado.

Se estas descobertas estiverem corretas, os lobos abatidos na última temporada morreram em vão, tendo pouco efeito na saúde geral da população de renas da montanha.

No entanto, permanece uma questão: o que está a causar o desaparecimento das renas de montanha? Estes cientistas defendem que a destruição de habitat e atividade humana são os principais responsáveis do declínio da espécie.

“As florestas fornecem às renas refúgio de lobos e separação de outros animais, incluindo alces, alces e veados”, disse Lee Harding, biólogo aposentado do Serviço de Vida Selvagem do Canadá. “Sem eles, a rena deve estar constantemente em movimento para encontrar comida, expondo-a por todos os lados. Predadores são apenas um dos perigos.”

[sc name=”assina” by=”ZAP” url=”” source=””

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

thirteen − twelve =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.