Poupar fez parte do ADN das maiores e mais antigas sociedades do mundo durante séculos, em grande parte devido às frequentes crises, como fomes, guerras e convulsões sociais. Esta frugalidade começou a mudar em 2008, mas pode dar um passo atrás devido à recessão provocada pela pandemia de covid-19.

A China e a Índia sempre foram conhecidas por serem países com hábitos de poupança bem intrínsecos nas suas sociedades. Este fenómeno começou a mudar em 2008, quando os dois países experimentaram um aumento dramático nos gastos do consumidor, tornando-os um dos mercados mais procurados do mundo.

O facto dessa mudança coincidir com a Grande Recessão ajudou a ressuscitar a economia global. A taxa de poupança bruta da China, como uma fração do seu produto interno bruto (PIB), caiu de um pico de 52% em 2008 para 46% em 2018, enquanto a Índia caiu de 37% em 2007 para 30% em 2018.

Agora, à medida que entramos noutra recessão, a China, Índia e o resto do mundo estão a olhar para um cenário muito diferente, escreve o OZY.

Em 2008, a China e a Índia não entraram em recessão, o seu crescimento económico apenas desacelerou. Por outro lado, os Estados Unidos, cuja economia contraiu, viu a sua taxa de poupança subir de 14% em 2009 para 20% em 2015, enquanto uma população duramente atingida tentava economizar.

Desta vez, espera-se que a China e a Índia vejam contrações dramáticas, colocando uma geração jovem consumista nas circunstâncias que os seus ancestrais enfrentaram e preparando o cenário para um potencial renascimento da cultura de poupança.

“Haverá uma propensão para economizar agora”, disse Ananth Narayan, professor associado de finanças do S.P. Jain Institute of Management and Research. No entanto, essa tendência pode desencadear um “ciclo vicioso”. “Todos estão a economizar e, portanto, ninguém está a consumir e, portanto, [não há] empregos e, portanto, menos ganhos e, portanto, menos salários e, portanto, ainda mais poupança e assim por diante”, explicou.

Devendra Pant, economista-chefe da empresa de análise de mercado India Ratings and Research, acredita que a Índia não verá necessariamente um grande aumento na poupança. Embora os indianos com salários mais altos possam economizar mais, “não podemos dizer o mesmo sobre as pessoas que estão na base da pirâmide, o que é uma grande fatia”. Os seus baixos rendimentos significam que não terão a capacidade de economizar muito e gastarão o que ganham.

Por outro lado, os segmentos de maior rendimento dos mercados chinês e indiano que são particularmente valiosos para as multinacionais. Se a segunda e a quinta maiores economias do mundo economizarem mais, isso poderá afetar a economia global.

Narayan acredita que o consumo doméstico da China pode aumentar mais cedo do que o da Índia e que pode sustentar o crescimento global. Por sua vez, Pant conta com a abertura de restrições de viagens. “Um grande impulso virá apenas quando os jovens aspiracionais desses países começarem a viajar pelo mundo”, afirmou.

Mas será que os jovens chineses e indianos que estão a economizar bilheres de avião para viajar pelo mundo em breve? Ou será que o “gene da poupança” que as gerações passaram vai entrar em ação novamente?

MC, ZAP //

Fonte: ZAP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

three × four =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.